Pular para o conteúdo principal

BOLAS DE MEIA >> Eduardo Loureiro Jr.

MKanegae - Flickr.comEla amassou a notícia de jornal — como quem amassa a crise das bolsas de valores, a campanha eleitoral, um novo crime hediondo ou a vida íntima de uma celebridade. Amassou bem amassado, transformando o plano retangular no volume arredondado.

Ela envolveu a bola de papel numa meia sem par — como quem acompanha o passo dos homens da família mesmo depois que eles esqueceram as meias em lugares impossíveis de achar.

Ela costurou o tecido — como quem costura a tarde, a memória, os personagens de suas contas de histórias.

Ela segurou a mão do menino — como quem abre a terra.

Ela colocou na palma da mão dele uma bola de meia — como quem planta a semente da esperança.

Assim ela fez, bola por bola, menino por menina.

E, no seu campo plantado, as crianças e os adultos arremessavam as bolas de meia, que eram recebidas a metros de distância — e arremessadas novamente. Por horas.

As bolas voando cada vez mais alto, chamando os pássaros que voavam cada vez mais baixo. Bolas de meia e pássaros atravessando o céu nublado do crepúsculo: água amassada, costurada em nuvem, pronta para ser arremessada à terra.

À noite, os pingos de chuva lançados da borda do telhado — estrelas cadentes na escuridão do céu — eram recebidos na palma sem cansaço da minha mão.

Ela, A que costurou a chuva... Ela, A que conhece todas as histórias... Ela, para quem somos todos crianças... Nossa, querida, Senhora, que linda bola de meia é esta em que a gente mora!



Comentários

Carla Dias disse…
Uma amiga sempre lembra de um episódio da série Sienfield, quando eles tratam do desaparecimento das meias. Ela é uma vítima das meias que somem...
Foi bom ler esse teu texto, porque ele me tirou do universo do Sienfield e me levou a um outro... A um rico em sentimentos. Falo da canção "Bola de meia, bola de gude" de Milton Nascimento e Fernando Brandt:

"Bola de meia / Bola de Gude / O solidário não quer solidão / Toda vez que a tristeza me alcança / O menino me dá a mão"
Marisa Nascimento disse…
Eduardo, eu já havia lido seu texto, mas não tinha conseguido um tempo adequado como você merece, para comentar. Então abri a página hoje pensando no texto e na música do Milton Nascimento e me deparo com o comentário da Carla. Deve ser sintonia. :) Mas eu quero dizer mesmo que, cada vez que leio a sua crônica e fico pensando que só vai ter outra no próximo domingo, imagino o dia em que vou ter na cabeceira um livro de autor " Eduardo Loureiro Jr", autografado, claro! :)
Elaine Sardinha disse…
Eduardo.
A emoção foi muito forte ao ler a sua crônica. Gostei muito.
Ser a personagem dela é gratificante.
Um dos meninos(Tiago, de 3 anos),cantava o tempo todo "bola de meia, bola de gude...". Ao final da brincadeira ele me peguntou:"- Você sabe fazer bola de gude também?"
Ser mãe de 6 filhos, guardar as meias sem par, também é guardar histórias. De tempos em tempos, guando faço asa bolas, também as revivo.
Um abraço. Elaine
Ana disse…
Nossa, que boa idéia.
Há tanto para amassar e jogar dentro das minhas bolas de meia...
Adorei.
beijos
Carla, eu nunca entendi como é que alguém pode perder uma meia. (Talvez eu precise ser mais desorganizado.) :) Mas se não fossem as meias perdidas, que seriam das bolas de meia?

Marisa, de tanto desejar o livro, vai acabar conseguindo um. :)

Eita, Elaine, agora quero ver o que é que você vai transformar em bola de gude. :)

Ana, amasse bem amassadinho e brinque de ser feliz. :)
Luciana disse…
Olá Eduardo,
que bom que neste mundo
temos os poetas para dar VIDA,
através da POESIA,
as coisas do cotidiano,
as coisas simples e encantadoras,
os bons sentimentos,
a natureza...

Que as nossas cças possam
sentir mais prazer em ter nas
mãos mais bolas de meia, de gude,
pular corda, amarelinha, bolinha
de sabão...
SEJA BEM VINDO.
Luciana de Oliveira
Nande disse…
Mano,
Que texto sensível. Gostei muito. Parabéns!
Fernando
Continuemos brincando com as crianças, Luciana. :)

Grato, Fernando. :)
Anônimo disse…
Boom, boom.
Goostei da sua crônica ;D
siiinceramente: boom :)
só acheeii que pooderia ser um pouco melhor ;p
:*
Julia
Anônimo disse…
Ahhnn, mais ou menos, tipo, poderia ser melhor... mais divertida, que interagisse mais...
Pra falar a verdade, não entendi direito a história, mass...
=D Booom
Valeu, Julia! A mensagem ficou realmente um pouco cifrada: entende melhor que viveu a situação, quem passou a tarde brincando de bola-de-meia. Tentarei ser mais claro na próxima crônica. Mas, se eu não conseguir, me dê uma ajudinha: afinal, a melhor forma do leitor interagir é usando sua imaginação e participando da criação da história que está lendo. :)
Nande disse…
Eduardo, não tente ser mais claro, continue sendo poético. Já está suficientemente claro pra quem olha com os olhos da poesia. Eu tbm não participei nem assisti à brincadeira e gostei muito, o poema fala por si só o que o coração do poeta quis dizer. É suficiente.
Fernando, na verdade só tem um jeito mesmo: apurar o ouvido interno para ouvir a voz que sussurra as palavras. :) Legal a interação aqui nos comentários.
klausmp disse…
Gostei muito da crônica embebida em profunda poesia.

Parabéns.


Klaus
Grato, Klaus, venha embeber-se de poesia quando quiser. :)

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …