Pular para o conteúdo principal

LÍNGUAS >> Carla Dias >>

Eu falo gírias, dialetos, doidices. Minha voz é aguda durante o dia e gravemente pranteada nas madrugadas. Mas se assisto reprise de novela, então pranteio à tarde mesmo, dependendo do enredo. E se acordo desarrumada por dentro, aí pranteio o dia inteiro, faça chuva ou faça sol; noite estrelada ou enegrecida pra alimentar bicho arredio.

Já pranteei com a cara grudada na parede, o nariz amassado. E quis entrar no buraco negro só pra plantar no seu centro um buquê de fogos de artifício. Sabe o centro? Onde a gente escorrega os dedos dos pés como fosse bailarina desenhando a cara da dança na areia? Onde a gente se esparrama para os lados, criando saídas, rotas de fuga. Onde é crucificado nosso entendimento sobre a capacidade de dizimar solidão.

E me ofereceram ser fluente somente nas belezas, mas me engasguei no aprendizado ao enveredar pela diversidade dos idiomas. Hoje eu falo estranhezas, labirintos. Sou fluente em inquietações e assimetrias, vez ou outra dou palestras sobre a felicidade, esculpindo no concreto da indecente tristeza, um sorriso carmesim. Falo a língua dos temerários que, após detida consulta aos verbetes da coragem, vestem-se de esperança e saem em busca de si mesmos, até o topo das montanhas, onde fincam bandeiras que se contorcem na tentativa de seduzir a paz.

Já sorri engolindo o som do riso, esmerando-me para não libertar gargalhada. E ao contrário do que parece, foi sorriso dos bons, apesar de engolido, porque tingiu de caleidoscópio o meu dentro. Enfeitiçou minha alma com cores que jamais vira antes.

Conto histórias pra dormir a mim mesma; cantarolo orações. Já me declararam insana, delicada, cética, decente, vulgar; classificaram-me caso perdido, mais vezes do que manda o figurino. São as gírias, os dialetos, as doidices, essa combinação kamikaze de rompantes. Mas pra quem já pranteou de tanto engolir lógica sem nela confiar, creio estar na hora de verter lágrimas de fascinação pelos encontros e pelas descobertas. E, neste caso, só abrindo os braços e berrando alegrias.

Eu falo a língua de quem se desespera e depois amansa, sem desacreditar que a vida é poliglota, e nos entende e atende mesmo quando a estranhamos.


www.carladias.com

Comentários

Marisa Nascimento disse…
Carla, que poesia linda de se ler, de se ouvir, de se memorizar para repetir aos os amigos em momentos especiais. :)
Eita, que essa semana a mulherada do Crônica resolveu soltar as perfeições todas na rua. Maravilha de crônica, Carla! Plantar buquê de fogos de artifício no centro do buraco negro é demais, né? :)
Carla Dias disse…
Marisa,
Meu sonho é, dia desses, conciliar direitinho a prosa e a poesia, aproximando-me com jeitinho de uma agradável (e vezes histérica e catártica) prosa poética. Por isso, seu comentário me caiu bem. Obrigada!

Eduardo,
Outro dia eu vi imagens lindas dos fogos de artifício... Eles parecem buquês, às vezes, não? E parece que tudo em volta deles se apaga para contemplar o espetáculo. Acho que o buraco negro carece desse buquê.

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …