SUMIÇO >> Paulo Meireles Barguil

Cada um de nós tem alguma história de sumiço para contar.


Ou para esconder.


Seja referente a algo ou alguém que, de repente, desapareceu.


Às vezes, este episódio foi motivo de alívio e júbilo.


Outras, de preocupação ou desespero.


Enquanto uns sofrem com o ocorrido, outras se alegram.


Enquanto umas são atentas detetives, outros são exímios sumidos.


Escafeder-se é uma arte, que pode ser apreciada ou odiada.


Depende de quem a pratica. 


Depende de quem recebe as consequências da obra.


Inevitável é o susto quando o perdido aparece.


Quando você vai lhe contar aquele segredo?

Comentários

sergio geia disse…
Eu tenho, Paulo, e o sumiço no caso foi causa de extrema preocupação. Não estava do lado de quem sumiu, estava no lado de quem se preocupou e só um Lexotan deu jeito na insônia. Tudo terminou bem.
Zoraya Cesar disse…
Eu nem sei dizer o quão profunda achei essa sua reflexâo. Relacionamentos terminados sem explicação, amizades que somem no turvelinho da vida, sentimentos que tínhamos e q de repente sumiram e não vimos qd nem como... são tantas as leituras. Mto bom mesmo
Alfonsina disse…
De fato, tem gente que some a gente fica triste… tem gente que some e a gente fica aliviado. Lembrei do caso dos “evaporados” do Japão, homens que somem para não passarem a vergonha de terem ficado desempregados, você já ouviu falar disto?

Postagens mais visitadas deste blog

NOS LÁBIOS AVERMELHADOS DE MEL >> Sergio Geia

AS ÁGUAS DE BIDU >> Sergio Geia

IGNORÂNCIA É FELICIDADE >> Albir José Inácio da Silva