SIMPLES ASSIM >> whisner fraga



o professor de cálculo avançado, ao ouvir a sugestão do meu colega, cofiou o queixo, levantou as retinas até o teto, como se rabiscasse, no quadro bege imaginário, um aglomerado de equações com símbolos gregos, e arrematou: não é tão óbvio, e eu fiquei um pouco impressionado, porque nem o tão óbvio eu era capaz de captar, e ele ajuntou que não devíamos procurar atalhos e, pra mim, tanto fazia a distância, contanto que eu dominasse o caminho, mas a lição foi um trauma e isso é razoável, as perturbações ativam meu sistema imunológico contra os clichês e outras simplificações, e, hoje, já não me dá urticária a sentença "simples assim", embora tenha a reação de me afastar imediatamente de quem profere tal slogan, e a guerra na ucrânia desencavou especialistas em todos os recantos das redes sociais e não consegui passar impune, sem me molhar nessa chuva de bestialidades, desde as aulas sobre a otan, passando por geopolítica, neonazismo, ciência militar, sem se esquecerem de sun tzu, religiões, economia, criptomoeda, como se não estivessem todas essas abstrações interligadas desde o berço, mas a cereja do bolo foi a nova ordem mundial, nom, com sua transmutação do comunismo em uma associação de defesa das pautas identitárias e, quem diria, só o velho bolchevismo, com suas receitas de criancinhas assadas, para salvar o planeta, se necessário com obuzes e bombas de fragmentação, que ninguém é de ferro, e, com esta nova pauta, se esqueceram dos sommeliers de vacina, do apagão de dados pandêmicos, do preço da cesta básica e outras minudências, porque a terceira guerra é assunto de grandeza bem superior e armas nucleares nem se fala então, nada como uma fissãozinha para injetar desconforto naquele que, de repente, quer saber o resultado do jogo de ontem, afinal a cerveja na geladeira tem prazo de vencimento, e a bagunça está pronta: quem defendia os estados unidos agora abomina o tio sam, quem idolatrava a rússia (e a remota união soviética) agora condena a invasão e, pasmem, basta acessar o facebook para encontrar, na página de boas-vindas, autoridades em zelensky, sumidades instantâneas que, há duas semanas, nem cogitavam a existência de um sistema político ucraniano, mas é bom que isso aconteça, desde que não influencie os preços dos fertilizantes e do pão, e eu estou me sentindo, honestamente, naquela aula de cálculo avançado, de vinte anos atrás - posso até ouvir meu professor declamando: nada é tão óbvio assim.

(imagem - pixabay, sem atribuição de autoria requerida).

Comentários

Nadia Coldebella disse…
Estamos tão concentrados em tantas coisas grandes que nem nos damos contas das pequenas guerras que perdemos todos os dias. Tudo isso enquanto nós posicionamos igual bibelôs desnecessários em prateleiras prestes a romper.
Texto sensacional.
Abço
Nadia Coldebella disse…
Estamos tão concentrados em tantas coisas grandes que nem nos damos conta das pequenas guerras que perdemos todos os dias. Tudo isso enquanto nos posicionamos como bibelôs desnecessários em prateleiras prestes a romper.
Texto sensacional.
Abço
Zoraya Cesar disse…
Que ótima reflexão, Whisner! Um texto nada simples assim. Esse é mais uma profundeza pintada de simplicidade para enganar quem não enxerga que nada é tão simples assim.
sergio geia disse…
Whisner, amigo, seu texto dói. Que mundo complicado tornou-se esse mundo nosso!
Albir disse…
Que interessante, Whisner! Só agora li o seu texto e, curiosamente, mais uma vez, muitos pontos comuns. Abraço!
Alfonsina disse…
Adorei o ritmo do seu texto, perfeito para dizer o que você está dizendo. Seu professor está coberto de razão: não é tão óbvio assim.

Postagens mais visitadas deste blog

DIAS MELHORES >> whisner fraga

O MENINO DA MEIA PRETA >> Sergio Geia

O PAVÃO AZUL >> Sergio Geia