Pular para o conteúdo principal

CONDICIONAL >> Carla Dias >>


Quem eu teria sido?

Teria escolhido o mundo?

Itinerante, conheceria sua geografia e sua gente. Talvez me perdesse na sua complexidade, mas não tanto quanto na sua beleza, porque dizem que o mundo, o planeta, é deslumbrante. Mesmo quando suas crias o esganam com seus feitos, ele reverbera sua venustidade. Talvez me aventurasse na pluralidade das suas pessoas, permitindo-me saber mais sobre o outro do que o outro já desejou saber sobre mim.

Teria escolhido a solidão?

As paredes de uma casa onde seria habitante única, na qual a iluminação se espalhasse tímida, despertando curiosidade e abafando saudades diversas. Lugar de onde eu jamais sairia. De quando o sol que tocasse minha pele fosse aquele amparado pelo quintal, metros quadrados de liberdade assistida por muros enfeitados com trepadeiras.

Obviamente, teria de dar um jeito no meu medo de lagartixa.

Mas é o que fazemos, certo? Colecionamos medos. Enfrentamos medos.

Muitas vezes, os medos vencem.

Teria escolhido a mente?

Assim, moraria na minha própria casa: ossos, carne, sangue. Imaginaria o lugar, as pessoas, o tempo. Quem sabe, imaginaria nada. Viveria mergulhada num sobrenadar eternamente, durante uma eternidade da qual desconhecesse a duração. Sentiria emoções escolhidas de uma prateleira recheada com diversidade. Choraria e gargalharia ao mesmo tempo. Amaria com a intensidade das tempestades, sem nem mesmo saber o que ou a quem. Seria amor a me consumir na sua pureza.

Nada de alvo. Apenas o senti-lo.

Teria escolhido o escândalo?

Aquelas pequenas barbáries cometidas em nome da espontaneidade. Das que comungam com o desejo contundente. Racionalidade se despediria de mim, assim, sem se sentir abandonando o serviço ainda em horário comercial. Sem se importar em perder o dia e isso fazer falta no pagamento do mês. Eu seria um descarte da racionalidade. Ela me abandonaria à mercê do delírio, ele que adora um escândalo. Ele que me entregaria às nuances de um imaginário se passando por realidade.

Qual roupa eu usaria?

Qual nudez me caberia?

Teria escolhido o outro?

E me rastejaria pelo recinto da vida a computar informações sobre o que o satisfaria. O outro, tão acomodado na minha serventia, passaria a nem pensar na minha existência de outra forma que não fosse como engrenagem. A vida do outro funcionaria melhor com os serviços que eu lhe prestaria. O espírito do outro se amoldaria melhor em seu corpo. Ele seria feliz sempre que a felicidade se assanhasse para ele. Não perderia a chance de aproveitar o que a minha dedicação o ajudaria a alcançar. Em contrapartida, ele me ofereceria umas lascas de prazer, em noites em que sua agenda não estivesse comprometida. Conversaria comigo por alguns minutos, antes de se perder em seus eletrônicos relacionamentos.

Teria escolhido a mim?

E quem eu seria nessa mistura de eu e eles e tudo e o mundo e os delírios e as tristezas e as alegrias e os desejos e as solidões?



Imagem: Menina com bandolim © Pablo Picasso

carladias.com

Comentários

Zoraya Cesar disse…
Carla, você escreve tão bem, mas tão bem, que nem sei mais o que dizer. Faltam-me palavras, você as usa todas. Você sabe q sou sua fã e amo suas frases. Mas, sinceramente, esse é um de seus MELHORES textos, dentro de todos os seus escritos magníficos. Beijos mudos.
Carla Dias disse…
Zoraya, quem ficou sem palavras, mais uma vez, fui eu. Tanta gentileza com meus escritos. Obrigada por permitir que eles lhe toquem o coração. Beijos.

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …