Pular para o conteúdo principal

PERCURSO IMPREMEDITÁVEL >> Carla Dias >>



Daqui eu observo o mundo. Ele se movimenta e sua cadência nem sempre agrada ao olhar, mas movimento é bom. Desperta a sensação de que é possível se chegar a outro lugar.

Como seria outro lugar? Seria eu outro nesse outro lugar ou não haveria problema em ser eu mesmo e apenas me entregar às novidades?

Dizem que faço somente perguntas que sei que posso responder, isso quando elas fazem algum sentido. Já me perguntei para que servem longos silêncios, durante uma conversa. E assim, aconteceu de um longo silêncio representar a resposta.

Eu me defendo: acredito que o problema não seja ter a resposta para pergunta conhecida, mas se perguntar sempre a mesma coisa. Porque perguntas podem se tornar vícios, e de tal forma, que elas resultem somente em outras perguntas.

Passei por um período em que fui viciado em perguntas, mas por sorte não eram as mesmas. Eram muitas e diversas. Então, ninguém mais escutava o que eu dizia. As pessoas estavam exaustas por tentarem saciar meu questionamento.

Quando se sentem exaustas, as pessoas partem do outro, do lugar onde acontecem, de si mesmas.

Causar exaustão ao outro, por meio de questionamento, também causa exaustão em nós mesmos. Então, amiudei de um tudo, queria que o mundo me deixasse em paz, que parasse de me oferecer desejos e perspectivas. Mas o mundo não se cala. Ele se movimenta, diante dos nossos olhos, além de ser tagarela. Às vezes, ele diz coisas insanas, mas não há quem não se emocione quando ele diz eclipse e o tal acontece.

Sujeito habilidoso esse mundo-planeta.

Daqui é esse lugar onde vivo há muito tempo. A distância que se mantém entre mim e o mundo é confortável, acolhedora, como são muitas realidades questionáveis. Eu sei que devo muito à minha própria biografia. Construí nenhuma história que valha a pena ser deixada de herança para o mundo, esse mesmo que observo, assim, de longe. Ele que, mesmo de longe, assedia minha capacidade de me reconhecer na sua forma, no seu tempo, na sua divindade.

Inventei nada, enquanto me sentia apto a reinventar muito. Só que reinventar exige que exista a invenção. Dei-me conta disso já era tarde demais para reescrever o roteiro de mim. Daí que tive de continuar assim, com o desejo aleijado, a dor trepidando na carne da alma.

Daqui eu observo o mundo. Ele não deixa por menos e me desafia a me achegar, quem sabe até eu o abrace, feito conterrâneo de país de língua estrangeira, de gente tão diferente de mim, que eu seja obrigado a reavaliar-me. Não se basta em mapas e iguarias, regionais são suas mãos a ampararem margens.

Escutei muitas histórias sobre amores avassaladores, de quando se perde o rumo, o tento, a elegância, a ponto de se jogar nos braços do outro como se ele fosse a rede que se insinua ao trapezista.

Estico-me. Preparo-me para o salto.

Que o mundo me ampare.

Que o mundo me abrace.

Que seja lá...

Imagem: Figuras à beira-mar © Lasar Segall

carladias.com

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …