Pular para o conteúdo principal

REFÚGIO >> Carla Dias >>


Livros são bons esconderijos. Há tantas ruas, vielas, rodovias. Há tantos cômodos, lojas, cafeterias. Prédios localizados em página qualquer. Conversas que você não teria nem mesmo com os melhores amigos.

Acontece de se tornarem refúgio, mesmo quando a alma nem sabia que precisava de um.

Há o que vive somente nos livros, como aquilo que vive em segredo no dentro da gente. Então, tem personagem que enlouquece, faz as malas e muda de país, deixando um tudo e vários alguns para trás. No capítulo seguinte, ele já é outro, com a catarse completa da melhor maneira possível. Com uma esperança jocosa morando nele, do parágrafo seguinte até o FIM.

Mesmo quando o livro abriga história acontecida, ele faz mágica. O tempo que gastamos ao mergulhar naquele ocorrido é bem diferente daquele que as telas de televisão e noticiários oferecem. As palavras cuidam melhor do acontecimento. O olhar observa com mais atenção o desenrolar da trama.

Livros, para quem mantém uma relação íntima com o ritual, aumenta consideravelmente o consumo de café. Às vezes, inspiram posições peculiares, depois de um tempo na leitura e a necessidade de mudar de posição. E, sim, há quem brigue com o escrito, discuta com o personagem, jogue o livro contra a parede e se remoa de culpa, dois segundos depois, enquanto o recolhe com todo cuidado.

Alguns dizem que eles servem apenas como distração. Discordam deles aqueles que aprenderam mais sobre si mesmos por meio dos livros do que de qualquer outra maneira. A leitura de um livro é uma das formas de se espantar solidão, ao convidar tantos para frequentarem o tempo que dedicamos a ele.

Há tantas ferramentas que permitem nos conectarmos uns aos outros, mas há relações que pedem que nos demoremos mais ali, onde nasce um sonho, um desejo; ou ali, onde o desfecho é feito soco no estômago e nos provoca sensações que recusamos visitar durante a rotina.

Livros abrigam invencionices habilmente misturadas ao que é real. É uma construção de realidades de pessoas que não existem, mas poderiam ser nossos vizinhos ou familiares. Acontece de eles o serem. Nesse caso, eles abrigam verdades habilmente misturadas a uma narrativa que as enriqueça.

Acontece também de alguém morar em livro. É que existe quem se inspire em uma pessoa para criar um personagem. É como sonhar o outro, alcançá-lo com a intimidade de quem parou, observou, percebeu e se encantou a ponto de escrever centenas de páginas de uma história onde esse alguém seria protagonista. É permitir que o outro protagonize o afeto de quem enxerga enredo nesse sentimento. Porém, como tudo nessa vida se debruça no Yin e Yang, o mesmo serve para os que seduzem pela crueldade que alimentam.

Dizem por aí que livros são bobagens, que saber deles pelo resumo é economizar tempo para momentos mais divertidos. Quem diz isso é porque nunca leu um livro que lhe roubasse o desejo de nunca chegar ao fim da história. Nunca gargalhou alto ao ler aquela frase que nunca será descartada pela sua memória, ou chorou copiosamente naquele desfecho enredado por ousadias que gostaríamos de cometer na nossa tão comportada realidade.

Histórias valem a pena. Livros dizem isso e eu acredito. Mas essa sou eu, alguém que já nasceu mergulhando no outro, e que, ao descobrir os livros, descobriu-se alguém.

Imagem: Reading by Lamplight © James Abbott McNeill Whistler

carladias.com

Comentários

Anônimo disse…
Carla Dias, muito bom o tema escolhido para "a da semana" desta semana (sic). Me identifiquei de imediato. Moro em vários livros já lidos e relidos, me refugio, prazerosamente, sempre nas leituras. Valeu, escritora.

Abraços,
Enio
Unknown disse…
Concordo! Os livros são ótimos companheiros!
Unknown disse…
Concordo!os livros são ótimos companheiros!
Carla Dias disse…
Enio, que as casas-livros que o recebem sejam das mais reveladoras e sábias. Beijos e obrigada pela leitura e pelas palavras.

Anônimo... Sim, eles são ótimos companheiros. :)

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …