Pular para o conteúdo principal

ÓBVIO >> Carla Dias >>


As pessoas insistem em querer saber: que tristeza é essa? Ele se esquiva, porque houve dias em que tentou explicar, mas não chegou às palavras certas para o entendimento do outro. E então que a tristeza dele, que nem é tristeza de fato, que tem lá a sua coerência, se perdia em uma lista de itens oferecida pelo outro, sobre o que ele não deveria cometer. Os dramas que ele construía relacionados ao que era óbvio. Na tentativa de ajudar, as pessoas se dedicavam a tecer explicações e a exigir dele reações que elas teriam, caso estivessem no lugar dele.

O óbvio é um dos grandes mistérios que o sonda. São poucas as coisas que ele concorda que o óbvio pode definir. O básico é óbvio. O respeito é óbvio. O direito e o dever são óbvios. Ainda assim, não vivemos em luta constante para garantir que o óbvio seja correspondido? O que deixa o óbvio relegado, num canto da sala escura. O que tira dele a leveza do entendimento imediato e o mergulha em um mar de complexidades.

Nada é tão óbvio assim. Nem mesmo ele.

Não é tristeza, não no resumo do significado que costumamos aplicar à palavra. É um desalento arrebatador, que o faz andar mais devagar, perder olhar em horizonte qualquer, emudecer a cada tempo um tanto mais. Como alguns já o alertaram, essa tristeza, que nem é assim tão tristeza, faz com que ele pareça socialmente esquisito, vista-se com desalinho, sorria menos do que os encontros sociais exigem. Houve quem lhe receitasse antidepressivo: meu pai é médico e eu consigo a receita pra você.

Ele acha tudo isso tão curioso. Antes desse esmorecimento colossal, quando sua existência era mais fácil de ser lida, porque estava tudo lá, disponível, ninguém o repreendia pelos seus impropérios. Seus dramas eram reconhecidos como desejos pungentes por mudanças necessárias. Porque as escolhas que ele fez, a forma como vinha lidando com as pessoas, suas buscas o levaram a esse estado vigente: ausência de si. Porque não é tristeza, é desencantamento profundo, de fazer espírito doer e doer e doer. Vem de lugar nenhum, de um amontoado de desejos descartados, sonhos induzidos ao esquecimento, amores vãos, mágoas indisciplinadas. Não reconfigura olhar, mas o torna mais afiado para reconhecer verdades pulsantes, as delatoras da falta de importância que temos diante do óbvio.

Ele sabe que sim, é óbvio que a vida tem suas camadas. Ele tem suas camadas. E que há dias em que não se quer sair da cama, da frente da televisão. Há dias em que o desejo é barulhento, espalhando-se pela percepção dos outros como se fosse música solta no salão. Há quem goste, há quem não.

É óbvio que não se trata de tristeza. Ele queria saber como se explicar melhor, mas lhe falta desenvoltura na oratória. Além do mais, nem todos estão preparados para entender essa fase em que o óbvio desacontece, deixando tudo pulsante, nevrálgico, impróprio. Então, o silêncio reverbera, os olhares se perdem em horizontes imaginados, o corpo se curva e o gosto para se vestir decai consideravelmente. A comida perde o gosto, abraços rareiam e, às vezes, os cabelos também.

Só que não é tristeza. É um desencantamento estrambótico, quase poético, desafiando certezas e reavaliando prioridades. É um acontecimento existencial, um refazer o caminho para se entender como diabos se chegou a esse destino. E diante dele, as tragédias da rotina, aquelas que comungam com atrasos, desventuras, agendas vazias, furtos de emoções e pequenos objetos de afeto. É a colisão entre dor e prazer e a revisão dos termos do acordo entre si e o universo. É quando dentro da gente a vida se descabela, enquanto não conseguimos pronunciar palavras.

É óbvio.

Imagem: A Morning in March © Nikolai Astrup

carladias.com

Comentários

Anônimo disse…
Sempre profunda. Sempre uma boa leitura. Carla Dias. É obvio.

Abraços,
Enio
Zoraya Cesar disse…
Mais um texto irretocável, tristeza profunda e poética e, como sempre, nada óbvio. (e concordo com o comentário do Enio: óbvio, em vc, apenas o deslumnbre de texto)
Carla Dias disse…
Obrigada, Enio! Abraço!

Zoraya, Zoraya... Obrigada. Beijo.

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …