Pular para o conteúdo principal

INSTÁVEL >> Carla Dias >>


Foi elaborado com cuidado, desenvolvido com paciência. Está pronto, implementado, trabalhando como se deve. É possível se perceber os resultados positivos. As pessoas se sentem mais animadas, dedicam-se com mais ousadia, o que sempre respinga no departamento criativo e lota a pequena área comum, em momentos de café e conversa fiada.

Porém, é a sua criatividade que anda trabalhando meio na borderline.  Entediou-se durante a reunião de replanejamento, porque tudo que começa com “re” anda abusando da sua paciência. Veja o recomeço... Quem mesmo quer passar a vida a celebrá-lo? Recomeço é bom quando é primeiro. Experimente o segundo e mantenha o pique. Trabalhe duro e dedicadamente na terceira versão.

Depois conte aos amigos como foi recomeçar pela centésima vez, com o mesmo tom de esperança da primeira na voz.

Fez essa lista para pontuar seus recomeços. Está no vigésimo segundo. No anterior, desapegou-se dos mistérios do espírito. Amanheceu nesse a flertar com as viradas da ciência. Abandonou meios-termos na décima sétima vez. Diante da eminente falha da vigente, planeja retomá-los. Nunca foi bom em extremos, gosta de comida agridoce. O que estava pensando ao vestir o casaco separatista?

Logo no começo da reunião de reestruturação, desliza a caneta sobre o papel em branco reciclado. Pensa na natureza das árvores. Então, na natureza das coisas. Então na natureza de si, esse ser desconexo, encaixado em um cenário de reformulações e recriações, um círculo vicioso de repetições. Para distrair a mente, evitando palavras decoradas há quatrocentas reuniões, pensa em pele, olhares, toques e a sinfonia de deleites que planeja para o próximo recomeço. Chega de solidão arrecadada para ser trocada pela sabedoria. O que a sabedoria fez até aqui? Como sabedoria pode vingar em terreno árido para sentimento? Que sabedoria é essa que descarta, em vez de mergulhar?

Nada de recato, que os beijos acontecerão na impulsividade do desejo, na intimidade do afeto. Porque é hora de recrutar novos integrantes para esse comboio de sonhadores de sonhos recolocados. Há vezes em que esses sonhos se despem da originalidade e aceitam, empilhados em normas, tornarem-se outros, apesar de a versão original ser possível.

Essa coisa de ter de caber em algum lugar para ser.

Segue-se o recadastramento de indivíduos desconhecidos, conjugados pelos seus números do CPF. Assim, será decidido quem sim e quem não. Regado a silêncio, o momento é arremessado ao mundo como projeto de sucesso. Não vê muito sucesso nisso, não. Não enxerga a si encarando outro recomeço a recadastrar mentiras distribuídas aos que ainda cultivam alguma esperança por serem reconhecidos.

Debruça-se na máquina de xerox, que cospe cópias de um mesmo relatório sobre reservas de bilhetes aéreos. Reveza-se entre labor e horror ao pensar que recomeçará mais uma vez. Dirão que é algo bonito, honrado, repleto de perspectivas. Só consegue pensar que recomeço é coisa que se engole uma vez só. Depois, resta somente respirar e se render à certeza de que a vida é instável.

Demorou cem recomeços para entender isso.

Deita-se no chão, aos pés da máquina de xerox. Os colegas relatam o ocorrido ao chefe do departamento de relações inteligentes, mas não antes de tirarem uma foto para espalhá-la pelas redes sociais. Apinham-se indivíduos na sala do café.

Pensa que o único “re” que lhe pode salvar é o de respirar. Respira fundo, levanta-se e, instável que só, decide finalizar em vez de recomeçar.

Imagem © Max Ernst

carladias.com

Comentários

Analu Faria disse…
Seu texto me dá a sensação de que a lógica está cedendo ao caos, de uma forma tão lírica que me espanta. Talvez por isso seja tão bom lê-la!
Carla Dias disse…
Analu, fico sempre feliz pela sua leitura. Obrigada! Beijo.

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …