Pular para o conteúdo principal

PERDENDO OS MEDOS >> Clara Braga

Quando ela era criança quis trocar de escola. Não recomendaram, afinal, ali ela estava criando seus primeiros laços de amizade e essas amizades poderiam acompanhá-la para o resto da vida, essa convivência pode fazer a diferença no desenvolvimento de uma criança. Como crianças não decidem nada, ou pelo menos não decidiam há alguns anos, ela continuou onde estava.

Alguns anos depois, já mais velha e um pouco mais independente, pensou novamente em trocar de escola, mas dessa vez foi ela que pensou que talvez não fosse interessante se separar daquelas amigas com quem já vinha estudando há tantos anos, logo viriam as formaturas, as viagens de escola e se ela mudasse talvez não tivesse intimidade com ninguém para participar desses eventos.

Depois que formou pensou em fazer intercâmbio, mas não aconselharam, fazer intercâmbio agora atrasaria sua entrada na faculdade, o que poderia prejudicá-la futuramente, pois faculdade é bom quando se entra cedo, forma logo e já se insere no mercado de trabalho.

Alguns anos de curso depois, pensou em trocar de curso. Mas talvez não fosse a melhor hora, afinal, porque desperdiçar todo o conhecimento que já foi adquirido? Melhor terminar esse curso e depois, mais para frente, ela poderia pensar em fazer outro, talvez depois de já estar empregada, assim não perderia tempo de inserção no mercado.

Quando formou pensou novamente na ideia do intercâmbio, mas achou que já estava velha demais para isso e se optasse pelo intercâmbio perderia aquela oportunidade de emprego ótima que tinha aparecido. Melhor não trocar o certo pelo duvidoso, ficou com o emprego que era exatamente o que ela sonhava enquanto estava na faculdade.

Os anos foram passando e ela percebeu que na verdade aquele emprego dos sonhos não era tão sonho assim, não se sentia feliz e trabalhar virou um fardo. Pensou que passar a maior parte do seu dia em um lugar que era um fardo não parecia justo e então cogitou largar o emprego. Ninguém a apoiou, afinal, já estava casada e tinha filhos, como ela pensava que iria criar seus filhos? Não importa se ela passava mais tempo trabalhando do que curtindo os filhos, ou se nunca conseguia comparecer a uma festa na escola, o que importava era que os filhos tinham comida na mesa.

Muito anos se passaram, ela se aposentou e percebeu que aquelas amigas que ela não quis perder quando era criança tinham virado apenas lembranças, as poucas com quem ainda mantinha contato foram justamente as que acabaram mudando de escola. Graças ao emprego, seus filhos fizeram intercâmbio e ela pode ver o quanto essa experiência foi importante para eles. Mesmo perdendo um ano da faculdade, o que eles aprenderam viajando os diferenciou e os ajudou na inserção no mercado de trabalho.

Viu amigas começarem novos cursos e trocarem de emprego várias vezes. Os filhos sobreviveram, talvez tenham deixado de ir ao shopping algumas vezes ou não tenham dado um presente de aniversário muito bom pro coleguinha na festa de aniversário, mas hoje em dia eles nem lembram disso, lembram apenas da mãe presente.

Repensou sua vida e viu que poderia ter feito escolhas diferentes, principalmente se não se importasse tanto com o que os outros iriam pensar a respeito dela, mas ao invés de sofrer viu que podia tirar dali sua maior lição de vida: a hora é sempre agora, o conhecimento adquirido sempre vai ser útil e o amanhã é sempre uma nova oportunidade para recomeçar. E foi ali, naquele momento, aposentada, depois de criar seus filhos e sem pedir a opinião de ninguém que ela se juntou com seu marido, foi fazer intercâmbio, começou um novo curso em uma faculdade, abriu seu próprio negócio, reencontrou amigos antigos, fez novas amizades, enfim, perdeu os maiores medos que teve a vida toda e nem percebeu: o medo de mudar e o medo de errar.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …