Pular para o conteúdo principal

SONHOZINHO >> Sergio Geia





Sei que é pessoal, muito pessoal, mas não tem como escrever crônica sem ser pessoal. Clarice sofreu disso, tentou fugir, não se interessava em contar coisas de sua vida. Desistiu de fugir quando alertada pelo rei da crônica, o Rubem Braga, de que não tinha como escapar do pessoal se quisesse escrever crônica.

Semana de turbulências, bateu insônia, calor insuportável, até que numa noite de sexta para sábado, o sono veio, pesado, dolorido. Acordei feliz da vida no sábado, desperto, nível da bateria nas alturas.

Manhã comum, fui organizar fotos no computador. À tarde, dei um cochilo. Foi quando acordei, atropelado de novo por um sono pesado, que a coisa aconteceu. Naquele momento em que a cabeça ainda pesa, que você tateia coisas, reconhece lugar, dia, hora, olhos se negam a abrir, você vai chegando mansinho, nascendo na velocidade de um jegue, de repente, num estalo, lembrei.

Sonhava e o sonho se apresentou a mim com uma clareza tão incomum, absurda e surpreendente que meus olhos se abriram, agora, na velocidade de um gnu, o bicho mais rápido do planeta. Lembrava detalhes, diálogos, expressões, tudo veio até mim. Quase me levantei para anotar, achava que num novo estalo tudo se perderia, apagão completo, e aí, babau coisas tão doces.

O sonho.

Estava na rua Barão, na casa onde morou minha bisavó Santa Ronconi. João tinha sido escalado para dormir com ela. Entramos e lá encontrei a bisa assistindo ao Silvio Santos (ela adorava), com as pernas esticadas sobre uma banqueta. Até aí, tudo bem, exceto que João e bisa nem se conheceram e são de gerações separadas por um oceano de anos. De repente, olhando pra mim, na sala da casa da bisa Santa Ronconi, minha vó Lourença, mãe de meu pai. Detalhe: no sonho, a bisa estava vivinha da silva enquanto vó Lourença tinha morrido. Assim, eu falava com o espírito ou seja lá o nome que se dá a isso, da vó Lourença.

Minha primeira atitude foi acarinhá-la, passei a mão sobre seus cabelinhos brancos (o que restava deles), sobre seu rosto em formato de pera, seus olhos brilhavam e ela parecia muito feliz.

Você vai à missa?, me perguntou.

Vou, respondi de imediato.

Eu não sei se vou, ela comentou, afinal, a missa é para vocês que estão aqui. Eu não estou mais aqui, mas talvez consiga ir sim.

E a senhora está bem, vó?, eu perguntei.

Sim, estou bem, ela me respondeu, sem entrar em detalhes.

No sonho, depois disso, me despedia de João, dizendo que estaria dormindo na casa da vó Ita, que qualquer coisa que ele precisasse era só chamar. E hoje, depois desse sono pesadíssimo, acordei com vó Lourença perto de mim.

Como todos os sonhos, sonho confuso e meio sem sentido. Cronologicamente, a bisa morreu primeiro, depois Lourença, depois Ita. No sonho, somente vó Lourença tinha morrido, enquanto vó Ita, mãe de minha mãe, e sua mãe Santa Ronconi, a bisa, viviam. Doideira total.

 Sim, não aconteceu mais nada. Talvez você possa estar aí decepcionado; esperava grandes revelações, imagens do além, algo forte, ou gestos marcantes, frases sensacionais, ou dúbias, ou complexas. Um sonhozinho, você deve pensar.

Tem razão.

Talvez nem devesse estar aqui contando sobre ele. Talvez o que importe aqui não tenha sido o sonho, mas a maneira como tudo aconteceu, a forma como ele veio até mim, como se minha própria avó, querida avó, vó de todos os alunos do Municipal, tivesse descido um pouquinho do céu para ver o neto, contar algumas coisinhas bobas, perguntar se eu iria à missa (faz tempo que não vou), bater um papo, permitir-se ser acarinhada.

Minha casa é sua, vó, eu disse antes de me levantar, venha sempre que quiser, quem sabe bater um papo, se puder traga mais gente, meu pai (o coração aperta, olhos encharcam), tio Ademar, tia Marília, tia Dayse, tio José, tio Nilson, tia Cida, tia Teresa, tio Paulo, vô David, vó Ita, vô Sansa, Armando, tio Cláudio, tia Cecília, Marco Antônio, Zé Ricardo...

P.S.: Da esquerda para a direita, tia Marília, vó Ita, vó Lourença, meu pai, minha mãe, tia Adélia

 



Comentários

Só posso dizer outra vez, parabéns!!! Bateu até uma saudades, muito realista e verdadeiro, conheci e até visitei, participei de alguma forma por essa razão; das crônicas aos personagens, nota 10.

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …