Pular para o conteúdo principal

TORTA DE SARDINHA >> Carla Dias >>


Não sou uma pessoa que embarca no Natal. Ainda ontem, falando com minha mãe ao telefone, lembrei a ela que o que mais gostava do Natal era a torta de sardinha, e no dia seguinte. Café da manhã.

Não me levem à mal, que aprecio a felicidade do outro. O Natal lhe faz bem, fico feliz por ele lhe fazer bem. E não, eu não me esqueci do que realmente significa a data. Porém, acho que sou desconfiada desde lá, de quando era menina de tudo, escondendo-me nos cômodos livres da casa em festa. Louca para assistir a um filme qualquer na televisão, no silêncio, mas sem sucesso, que Clara Nunes e Peppino di Capri disputavam o palco da sala de estar.

Eu sempre torcia pela Clara, porque, depois que o mar serenou...

Mas essa sou eu, que tenho lá minhas questões com o calendário.

Não falo da questão religiosa, que cada um abraça a crença que lhe toca. Falo de todo o resto: as quinhentas prestações que fazemos para comprar coisas que não precisaríamos adquirir de imediato. A imagem de Papai Noel vestido com aquela roupa, quando os dias aqui estão quentes pra dedéu. Só de olhar para ele, suamos. A conexão duvidosa que estabelecemos com caixas de presente que custam quase que o valor do presente. As roupas...  Mais prestações. Mais roupas usadas somente uma vez.

A rotina é abatida por uma pressa que não consigo entender, que supera dia de final de campeonato de futebol e véspera de feriado prolongado. Dezembro é o mês em que me transformo na pessoa mais mal-humorada que conheço. Tudo fica gritante, impaciente, deslocado. Os motoristas reinventam as leis de trânsito e os transeuntes se adaptam a elas, como se nada de estranho estivesse acontecendo. Como se fosse natural se safar de acidentes, com mais frequência do que a usual.

E os presentes...

Nem pensem o contrário: eu adoro presentear. Gosto ainda mais quando consigo encontrar algo que se encaixe na história das pessoas. Presentear com a intimidade do conhecimento a respeito do outro. Eu sei...  As lembrancinhas, para aquelas pessoas que, apesar de não conhecermos tão bem, foram gentis conosco. Merecem um agrado.

Confesso que não comprei presente pra ninguém. Meus sobrinhos vão ter de esperar eu respirar, dezembro passar, a vida ficar menos insana. Ainda bem que eles já me conhecem, sabem que tenho dificuldade imensa de me adequar ao gosto do calendário.

Claro que tenho apreço pela felicidade deles, assim como respeito a sua, porque se o Natal lhe faz feliz, eu fico feliz por isso. Minhas questões a respeito do Natal englobam esse barulho todo. Quando dezembro chega, já estou no ponto de necessitada de silêncio interno, e as buzinas não ajudam. A correria, nem. A inflação não colabora em nada. As mil parcelas para adquirir um possível agrado, já sabe.

Além disso tudo, dessas banalidades que são minhas, que em nada interferem no seu apreço pelas celebrações ou o dezembro, há o fato de que eu adoraria poder celebrar mais, muito mais do que o meu Natal, meu panetone, minha comida delícia, minha roupa nova. Eu gostaria muito, mas muito mesmo, de comemorar uma conquista coletiva, que tornasse a nossa vida mais descomplicada. Que abrandasse os discursos unilaterais e nos colocasse do mesmo lado. Aquele lado que nem lado é. Trata-se apenas do justo e de direito. Eu gostaria muito, mas muito mesmo, que não nos tratassem como se não valêssemos nada. Como se não soubéssemos de nada. Como se não sentíssemos nada. Gostaria do tipo de presente que Papai Noel e magazines não podem oferecer. Nem mesmo o empréstimo pré-aprovado no banco ou a promessa que já chega anunciando que não será cumprida. O presente que só nós podemos dar a nós mesmos ao compreendermos que temos de nos unir para celebrar, mas também para mudar as coisas que precisam ser mudadas.

Mas essa sou eu, quem faz festa com uma torta de sardinha, amanhecida, e um bom gole de café, em qualquer dia do ano.

Imagem: Il risveglio © Angelo Morbelli

carladias.com

Comentários

Anônimo disse…
Mas eu quero lhe dar um presente de Natal. O único que pode ser dado de bem longe e espero que não vá rejeitá-lo. É um abraço!

Junto a esse abraço, também, o meu agradecimento pelas emoções que você me fez sentir com a sua escrita mágica. Foram tantas crônicas gostosas neste 2017 que ajudou a saciar a minha fome de leitura que fico mui grato. Junto a esse abraço quero desejar que o seu Natal seja feliz e que o Ano Novo que está chegando venha carregado de saúde, paz e alegria, juntamente com o seus familiares e amigos.

Então, aqui vai o meu ABRAÇO!!!

Enio.
Zoraya Cesar disse…
Concordo com o Enio: sua escrita é mágica. E, apesar de eu vivenciar o Espírito de Natal, confesso que a maneira como o mundo circundante se comporta também me deixa irritada e mal-humorada. É muito barulho feito por gente que nem sabe o que e Natal, mas balburdia assim mesmo. Como se já nao tivéssemos barulho o suficiente...
Carla Dias disse…
Enio e Zoraya, obrigada, de coração. Bom tê-los por aqui.
Beijos!

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …