Pular para o conteúdo principal

BLUE ANNE >> Zoraya Cesar

Azul nem sempre é a cor mais quente. Pode ser, até, glacial. Tudo depende do ponto de vista do narrador.

Atençâo: contém cenas de violência. 

Madrugada. Àquela hora, poucas pessoas se aventurariam a procurar um bar exclusivo, nos recônditos da cidade. Num deles. uma mulher solitária bebia silenciosamente seu café. 

Grandes óculos escuros escondiam seus olhos e mechas de cabelo castanho cobriam parte da face. Desse quase nada entrevisto, arriscaríamos dizer que era bonita. Sorvia o café lentamente, gole a gole, sem afastar a xícara dos lábios. Não usava jóias e não se via bolsa por perto – provavelmente tinha crédito na casa.

A cena lembrava uma pintura de Ben Aronson – as roupas da mulher, o banco no qual sentava, a mesinha de café à frente e o painel da parede, todos praticamente no mesmo tom de azul.  A excetuar esse domínio azul prussiano, apenas um painel bege, a xícara e os sapatos brancos – esses, uma espécie de tênis feitos sob encomenda, não encontrados em lojas comuns. 

A mulher, quase imóvel, parecia mesmo a imagem da serenidade. 

Naquele lugar desconhecido às pessoas comuns, ninguém se surpreendia com o uso de óculos escuros à noite em um ambiente fechado, ou com a presença de uma mulher sozinha àquela hora tardia. No High Plains Drifter todos eram irmãos em excentricidade – seja na aparência ou nas profissões. Se estava ali, pertencia a alguma confraria à margem da sociedade. Era, portanto, bem vindo. 

Assim, a mancha arroxeada que intumescia um dos olhos da mulher passou despercebida. Ela mesma não se lembraria mais da aparência de cogumelo morto que trazia ao rosto não fosse o constante latejar doloroso a despertar-lhe a consciência. 

As mãos - a esquerda repousando sobre as pernas cruzadas, e a direita, segurando a xícara de café – eram frágeis e delicadas, de dedos longos e unhas curtas, sem esmalte. Mãos feitas para os movimentos finos, ou para servirem de modelo para jóias de alto luxo. 

Eram, no entanto, treinadas para atirar, estrangular, matar sob as mais diversas formas. 

A essa altura, ousaremos perguntar o que provocou o olho roxo e o tremor, ainda que despercebido, de suas mãos? 

Tudo começou com gritos e empurrões do companheiro, até então muito romântico. De início, ela apenas avisou que ele parasse, sem tomar qualquer outra medida, pois achava que era sua culpa; afinal, nunca vivera com ninguém antes do Beto. 

Quando ela finalmente o expulsou de casa, Beto reagiu mal. Pensou que a esposa era apenas um enfermeira indefesa, sem eira nem beira. Jamais passaria por sua cabeça que a doce Anne era contratada por uma firma de assassinos, sabotadores e sequestradores de aluguel. Passemos, então, a outra pergunta: como uma mulher dessas permitiu-se ficar com um sujeito como Beto?

O que responder? São tantas as possibilidades, impossível saber ao certo. Talvez os gritos de seu relógio biológico fizeram-na ansiar por um relacionamento sólido. Beto parecia ser uma boa escolha e o sexo sempre fora muito bom. Até Beto mostrar sua verdadeira face. 

Naquela – fatídica, por que não? - noite, ele, sabemos, reagiu mal. Deu-lhe um soco no rosto, que só não a atingiu em cheio porque seus reflexos não lhe falharam e ela se desviou em tempo de evitar um estrago maior. Qualquer outra mulher teria sucumbido.

Não Anne. Cega de ódio – mais por ter sido surpreendida, diga-se – revidou. Subjugou o marido e amarrou-o. Fê-lo ingerir todo o uísque da casa (não perguntem como; ela tinha seus métodos). Em seguida, provocou-lhe  o vômito, tapando a boca e o nariz do marido. Anne consciente do que fazia. Aliás, já fizera algumas vezes.

Ao fim, ela o desamarrou, deixando-o caído da maneira a simular um acidente – bebeu demais e sufocou no próprio vômito. Sabia muito bem como esconder vestígios, forjar provas, enganar a perícia. Sabia fazer muitas coisas incomuns. Só não sabia ainda como se envolvera com aquele safado. Bem, isso não era mais problema.  

Ligou para a firma. O pessoal do administrativo arranjaria toda a situação e lhe daria um álibi incontestável.  Vestiu-se de azul, sua cor preferida, que sempre usava quando em missão, e saiu. Precisava de sossego.  

Blue Motorcycle:
 tequila, rum,
vodca, gin, soda,
Blue Curaçao
Saboreando o café, concluiu que errara duas vezes: quando suportara o primeiro grito; e quando desejara uma vida normal. Ela era Anne, a Mensageira da Morte! O que a fizera pensar que poderia ter uma vida normal? “Gosto do que faço, sou boa no que faço. Detesto trabalho burocrático. Nunca me casarei, nem terei filhos, e provavelmente morrerei violentamente, que é o destino de boa parte dos Mensageiros da minha linha.”

Vida normal o cacete. Isso não foi feito pra mim. Mas acho que vou voltar à terapia.

Pediu uma dose de Blue Motorcycle. Para combinar comigo, pensou. 

Sorriu. A vida era boa. E tudo ficaria bem. Seu lado matador vencera, mais uma vez. 

Quadro: Coffee Break, de Ben Aronson (Pinterest)

High Plains Drifter - western estrelado por Clint Eastwood, com título em português O Estranho sem nome (ou, em algumas versões, O Pistoleiro do Diabo)


Comentários

Anônimo disse…
Caso típico de um psicopata mandando outro para a "cidade dos pés juntos"!
Muitos tapas (porradas, etc...) e nada de beijos, e muito menos uma "sacanagem básica"! Assim não pode, assim não dá, hahaha...
Anônimo disse…
wow!
Marcio disse…
Mais uma vez, meus parabéns pela capacidade de criar uma narração a partir de um quadro, e pela meticulosa descrição de ambientes e personagens.
Ana Luzia disse…
puxa, será que é possível juntar uma mulher forte com uma vida tranquila ao lado de um parceiro verdadeiro? ou a guerreira tem sempre que encontrar lutas em sua trajetória? se for pra lutar, que venha a vitória!
Anônimo disse…
Retrato de mulher. Somos todas ferozes e mortais, não deveríamos mesmo permitir q nos tratem mal.
sergio geia disse…
Zoraya, genial! Está ficando especialista nesse tipo de narrativa, hein? Bjs!
Unknown disse…
Ainda não consegui descobrir se primeiro você escolhe a imagem e depois faz o texto ou se faz o texto e sabe-se-lá-como consegue achar a imagem que encaixa direitinho. Fiquei curiosa rs Mas, quando falou de cenas de violência, pensei que seria algo mais sanguinolento... até que você foi tranquilinha rs
Zoraya Cesar disse…
Pessoal, puxa, obrigada!
Anônimo 1 - esse é um blog família. Em breve lançarei um livro com menos amarras.
Anônimo 2 - valeu!!!
Ana Luzia e Anonimo 3 - pois é, tem de tudo por aí. inclusive finais felizes e manos cruentos. Mulheres devem se valorizar e serem valorizadas.
Marcio - obrigada! que bom que me achou meticulosa! sempre tenho medo de errar para mais ou para menos na descriçao.
Sergio - suas palavras, vindas de um cronista de mão cheia, como você, me enchem de orgulho! Uau!
Unknown - as duas maneiras existem. O resto é segredo... E acho q vc está se acostumando aos meus textos, pois nao achou que esse fosse sanguinolento... Eu tive até medo de colocar!

Beijos agradecidos a todos!

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …