Pular para o conteúdo principal

BOAS FESTAS MEIO ASSIM... >> Sergio Geia



Dezembro de festas, amigo, gostaria de escrever coisas bonitas para você. Sabe como é, ano se encerrando, estamos aqui vivinhos da silva, somente isso já seria um bom motivo para agradecer.
Agradeça então.
Agradeço daqui.
Mas não quero só agradecer, quero dizer coisas bonitas — afinal, você quinzenalmente me acompanha aqui no “Crônica” (espero) —, falar da esperança de um ano melhor, desejar sucesso, momentos de alegria, felicidade (essa coisa mágica) em todas as dimensões de sua vida.
Ocorre que está difícil.
É que vivemos no Brasil, e o Brasil está de dar pena. Parece que encalacrou o sete a um em nossa vida de vez. Não sai mais. Culpa desses políticos que só pensam neles e em seus partidos (ouço na televisão um deputado dizer que os partidos têm de fechar questão sobre a previdência, assim, o deputado tem como se defender diante de seu eleitor, afinal, foi obrigado pelo partido; pode uma coisa dessas?). Estão lá para nos representar e NÃO NOS REPRESENTAM. Falta legitimidade. Tínhamos de ter o direito de tirá-los se não há uma conexão entre a nossa vontade e os seus projetos e votos. Assombra-me esse senhor Temer (mais sacrifícios para o povo?). Não está na hora de chamar as grandes fortunas para o sacrifício?  Como dizer que o Brasil precisa disso, que o Brasil precisa daquilo, se o Brasil somos nós, e a nós ele não ouve? Que direito tem de falar por nós? E o Rio de Janeiro então? Um desastre. Outro dia assistia Tropa de Elite 2, e parecia estar vendo o Jornal Nacional.
Stop, digo a mim mesmo.
Não tenho inspiração para lhe dizer coisas bonitas, não vou ficar aqui lhe dizendo coisas feias.
Pensei não dizer nada como já fiz noutra crônica, mas aí tive uma ideia. Uma santa ajudinha. Sim, pedir um auxílio para o meu santinho, cuja imagem tenho aqui na estante; Francisco saberia o que dizer. Abro “O irmão de Assis”, de Inácio Larrañaga, numa página qualquer e encontro esta mensagem:
“Irmãos caríssimos, Deus é nossa esposa. Deus é nosso fogão. Deus é nosso banquete. Deus é nossa festa. Se tivermos Deus na alma, a neve aquecerá, os invernos transformar-se-ão em primavera.”
Que as palavras do pequenino de Assis se transformem em realidade para o sofrido povo brasileiro.
Que a neve nos aqueça, que o inverno se transforme em primavera.
De Taubaté, no Vale do Paraíba, terra de Monteiro Lobato, para você, amigo, os meus sinceros votos de um Natal em paz, e um 2018 com saúde, e muitos, muitos momentos felizes.
 

Comentários

Zoraya Cesar disse…
Obrigada, Sergio! E, por favor, escreva muito em 2018, que precisamos ler coisas boas e bem escritas. Assim, a vida passa melhor! beijos de feliz 2018.
sergio geia disse…
Grato, Zoraya! É recíproco, precisamos ler coisas boas e bem escritas, precisamos de Zoraya Cesar neste 2018! Bjs e sucesso! Sempre!

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …