Pular para o conteúdo principal

SUA TRAGÉDIA NÃO É MINHA >> Carla Dias >>


Sua tragédia não será reconhecida, no caso da impossibilidade de enquadrá-la na televisão. Entre o comercial de amaciante de roupas e do carro de design exclusivo. Logo depois da propaganda eleitoral. Se ela não couber em discussão conduzida para transformar direitos em item opcional, muito menos importante do que instalar o ar condicionado.

Tem feito muito calor.

Sua tragédia passará despercebida, mas a culpa só pode ser sua, quem nasceu na forma, no tom, no lugar, na classe social, na cor errada. Nasceu para ser esquecido diariamente. Para ser lembrado somente quando sua luta reverberar mais do que deveria. Para calá-la, melhor conduzi-la com enredo que você jamais determinará. Enfim, ela servirá para contenção de desejo de mudança. Servirá aos que entortam seu espírito, enquanto vendem a ideia de estarem salvando sua vida.

Sua tragédia não importa. Não será discutida à mesa do jantar, durante as conversas entre os amigos a celebrarem suas conquistas, tampouco nas salas de aula. Será esquecida, como você tem sido esquecido, diariamente. Cairá no silêncio, será ocultada pelas facilidades da vida. Ela se perderá no medo.

Sua voz não ecoará, a não ser que a verdade que ela traga possa ser adaptada, de forma a caber naquele ângulo ideal para campanhas publicitárias que vendam o necessário de promessas para a próxima eleição. Sua tragédia servirá de atriz principal para promessas criadas para não serem cumpridas. Não havendo espaço na política, alguns itens cosméticos?

Quem não precisa de ajuda para parecer mais interessante na foto?

É óbvio que a sua tragédia não é somente sua. Ignorá-la é um exercício que muitos têm feito com muita dedicação, abraçando a passividade como conforto que dizem de direito. Meritocracia existencial? Um dane-se retumbante ao semelhante.

Sua tragédia não cabe perfeitamente na linha geográfica do gosto pessoal de muitos. Ah, se ela ficasse em outro continente; se fosse banhada por outro oceano. Se fosse em outro idioma, tivesse outra moeda, carregasse outra história.

Não digo que todos observem sua tragédia com a mesma indiferença, ou enxergando a chance de se aproveitar dela. Aproveitar-se de tragédias é função de muitos. Há quem ganhe a vida nessa lida. Sei que há quem, legitimamente, deseja que você supere sua tragédia, sem ter que se curvar ainda mais. Sofrer, ainda mais. Aqueles que enxergam sua tragédia, além da panfletagem, da politicagem, do olhar e poder de manipulação dos profissionais das tragédias.

Sim, aqui também cabem a Somália e o Brasil. Cabem as tragédias silenciosas, abafadas pela desigualdade social. Cabe o desfalque no país e no espírito do brasileiro. Cabem as tragédias em nome do amor, que de amor não tem nada. As que acontecem para o proveito de poucos, que deixam muitos à mercê da miséria.

Não consigo deixar de me perguntar: quando o homem vai parar de cometer tragédias? Ao menos, deixar de ignorá-las?

Imagem © Francis Picabia


carladias.com

Comentários

Bruna Matos disse…
Fantástica reflexão. Ser invisível é uma das piores dores que podemos ser submetidos. É cruel perceber que os seres humanos são catalogados, e com valores distintos.

http://umavidaemandamento.blogspot.com.br/
Carla Dias disse…
Bruna, é cruel mesmo. Ainda assim,gosto de pensar que é uma crueldade que se perde diante da gentileza. Sejamos gentis com nós mesmos e nossos companheiros de viagem. Beijo.

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …