sexta-feira, 13 de outubro de 2017

PÓ >> Paulo Meireles Barguil

   
"Todos vão para o mesmo lugar;
vieram todos do pó e ao pó todos retornarão."
(Ecl 3, 20)
 
Aceitar e reverenciar o efêmero é planar, com esperança, na eternidade.
 
Rejeitar e desdenhar o transitório é aprisionar-se, com desespero, no presente.
 
Energias tão distintas: uma vê o  mundo em cores; a outra em preto e branco, quando não em cinza... 
 
Uma interage no mundo com as mãos abertas, distribuindo o que é; a outra só as abre para receber, quando não para tomar...
 
Como lidar com vampiros que atacam, sem qualquer cerimônia, à luz do dia?
 
O que fazer com a luz interior: converter ou perverter?
 
"Toda forma de poder é uma forma de morrer por nada."
(Humberto Gessinger, Toda forma de poder)
 
 
[Conceição do Mato Dentro  Minas Gerais]
 
[Foto de minha autoria. 18 de julho de 2012]


Partilhar

Um comentário:

Cristiana Moura disse...

Grata por esta bela crônica-oração!

E que bela foto!