Pular para o conteúdo principal

QUANDO OS VIVOS SE AUSENTAM DA VIDA
>> Carla Dias >>


Reconhecer-se em Para fugir dos vivos é o que nos permite a autora, Eltânia André. Isso porque as personagens do livro, especialmente o escritor avesso ao convívio social, leva o leitor a território possível. Não é difícil se imaginar no lugar dele, enquanto se lê sua história. Não é difícil se imaginar no lugar de qualquer um deles. Essa facilidade conduz o leitor a cenários complexos, nublados pela simplicidade de uma vida privada de privilégios.

Dividido em duas partes, o Livro 1 é narrado pelo escritor, que saiu de casa aos dezessete anos e tem de voltar a sua cidade, após se especializar em evitá-la. Durante a viagem, o adulto revisita a infância, mergulhando em suas tragédias particulares. Em Livro do Miguel, o ponto de vista do irmão desnivela a realidade do outro, apontando o quanto a percepção escolhe o caminho a ser percorrido, ao ter de se lidar com a aridez de uma vida desviada do afeto.

“Aprendi muito cedo que a vida é solidão.”

Entregue à solidão, reconhecida na infância, o menino se descobre capaz de se refugiar na imaginação que, mais tarde, garante a ele uma vida dedicada às palavras, ao intelecto. O pai, Fonseca, carpinteiro em um cemitério que, não raro ajudava com o serviço de coveiro, lidava melhor com os mortos do que com os vivos, principalmente os filhos. Às vezes, castigava os moleques, ainda que dele ansiassem pelo abraço. “Essas mãos, grosseiras, desajeitadas, não serviam à delicadeza de um gesto de carinho, nunca ao afago paterno”.

Apesar da falta de afeto do pai, não era ele quem agoniava mais o menino. “Ela”, como se referia à mãe, era quem ampliava o horizonte de agonias dele. Ele reconhecia a mulher como um ser dedicado ao tormento causado pela tristeza, incapaz de inspirar amor e alegria. “Ela não era feliz, então ninguém poderia ser.” Ismália Maria, a Maria Comprida, tornou-se o avesso das buscas do menino. Ao sair de casa, aos poucos, mas efetivamente, ele vai se desconectando dela. Ao menos, é assim que ele pensa, até ser obrigado a voltar ao convívio materno e ser tomado pelas lembranças.

Durante o Livro 1, o leitor trafega pelas descobertas do menino, as nuances de seu relacionamento estéril com os pais, a distância estabelecida com o irmão. Sair de casa foi como sair de cena daquela vida que o fazia encarar abandonos, o tempo todo. Foi tentar se encontrar em algum lugar que o permitisse exercer sua solidão e sua vaidade, longe do olhar desviado, porém sempre contestador e cruel da mãe, quem se torna ainda mais distante com a morte do marido.

"Um novo medo; de ficar a sós com Ela, sem o pai para, pelo menos, fazer sombra entre nós."

Ao mudar o narrador, em o Livro do Miguel a autora cria conflito com a primeira narrativa. Tudo no qual o leitor mergulhou, por meio do ponto de vista do escritor, torna-se frágil quando ele se depara com o ponto de vista daquele que ficou, conviveu com a mãe, construiu seu próprio exílio em um casamento adquirido, de acordo com o que deveria ser, não o desejado. E o desprezo pelas conquistas do irmão, o que partiu, mostra como ficar avariou o espírito do que ficou.

"Eu sei que o meu irmão já ganhou uns prêmios por aí, de que vale isso? Ele aparece nesses programas de cultura, dando entrevista. Esnobe e vaidoso."

Porém, a autora não desacredita um ou outro, e sim cria espaço para o leitor reconhecer que, talvez, haja uma terceira, quarta, quinta versão dos fatos. Principalmente ao considerar o que  ambos pensam sobre a mãe e o relacionamento do outro com ela.

No romance Para fugir dos vivos, a autora leva o leitor a uma autoanálise, uma viagem interior por meio das solidões desses personagens. E, durante essa jornada, o próprio leitor se vê em conflito, ao se deparar com as percepções daqueles meninos, estampadas nas revelações dos adultos que se tornaram.

PARA FUGIR DOS VIVOS
Eltânia André

Editora Patuá

Clique AQUI para comprar o livro


"Não somos necessários à sobrevivência de ninguém"



carladias.com


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …