Pular para o conteúdo principal

UM ALGORITMO PARA CHAMAR DE SEU>>Analu Faria

Algoritmo é um conjunto de medidas/passos a serem tomados para a realização de alguma coisa. Tipo uma receita de bolo. Por conta deles, por exemplo, uma rede social aparentemente pode predizer que preço o fabricante de roupa pode te mostrar no site que você acessa para comprar a roupa ou o Netflix  pode decidir o tema e o roteiro da próxima série que renderá alguns milhões.

Lembrei-me do quanto se fala do "poder" dos algoritmos enquanto lia hoje sobre a Análise Econômica do Direito, uma disciplina pouco estudada no Brasil e com uma quantidade considerada de adeptos nos Estados Unidos, cuja razão de ser é aplicar as premissas de economia clássica ao estudo do comportamento humanos considerando as leis. Para a AED, mulheres e homens são seres individualistas, racionais, com desejos ilimitados e enfrentam a escassez de recursos do meio em que vivem. Aplicam isso ao direito considerando que as escolhas humanas são feitas na base do custo/benefício, o que poderia explicar, por exemplo (segundo os teóricos de AED), porque o sujeito X cometeu um crime ou não delatou seu comparsa.

No meio da leitura, já misturando AED com algoritmo, lembrei-me (e comecei a rir) da "Teoria da Vaca Velha", inventada pela personagem Jane Goodale (interpretada por Ashley Judd) em um filme pop-sessão-da-tarde (bom, talvez nem tão sessão da tarde por conta da classificação indicativa) chamado "Alugém Como Você". No filme, Jane leva um pé na bunda e inventa uma teoria para justificar o fora: segundo ela, bois não gostam de acasalar repetidas vezes com a mesma vaca; o mesmo aconteceria com os homens. O mais engraçado não é a analogia, mas o fato de que Jane conta para uma amiga sobre a invenção da teoria e, juntas, elas criam o cenário para que a tal teoria vire um hit, por meio, inclusive, da invenção de uma suposta cientista indiana de prestígio que seria a autora da teoria (o que, é claro, é completamente fake). Jane e a amiga levam a mentira até as últimas consequências, quando são obrigadas a contar a verdade, em cadeia nacional.

Em algum ponto do filme (não me lembro qual), o personagem de Hugh Jackmann (Eddie Alden), em um dos poucos momentos em que o personagem mostra alguma sensatez , decide dar uma dura na colega Jane (os dois trabalham na produção de um progama de TV), dizendo que homens não são bois e que o ser humano é muito mais complexo que um animal, o que é absurdamente irônico, porque Eddie é o mulherengo da história.

Vou dar um spoilerzinho agora: como todo filme água com açúcar, "Alguém como você" mostra, ao final, que Eddie tem sentimentos, sim senhora, e por isso se ofendeu tanto com a teoria de Jane. Eu às vezes sou meio Eddie com relação a essa gente que acha que a probabilidade vai nos salvar das incertezas inexoráveis de nossa humanidade.







Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …