Pular para o conteúdo principal

AMÉRICA ALTERNATIVA >> André Ferrer

Sob o estrondo da Lava Jato e da Reforma Previdenciária, marulha o desejo governamental por redefinir as leis que regem a imigração. Em outras palavras: há uma vontade atropelada de facilitar o acesso de estrangeiros num contexto geopolítico merecedor de uma cuidadosa e profunda análise. Os defensores da ideia, rasteiros e populistas, alegam que tal reforma alavancará a nossa economia. Será? É disso mesmo que a nossa economia precisa?

Logo nos primeiros anos desta colônia, a questão do estrangeiro já foi resolvida. Com ou sem facilitadores legais, o futuro destas praias, como paraíso e refúgio, apenas replicará um passado cheio de cancelas gentilmente levantadas.

Muito em breve, os principais países da Europa estarão fechados. Assim, a América do Sul, de novo, brilhará como o melhor destino para toda e qualquer criatura.

Na França, alvo sistemático do terrorismo islâmico, é inevitável que se abaixem os ferros. Há tanto pânico nas ruas, que até a esquerda já admite restrições - se bem que algumas horas atrás, nas eleições de 23 de abril, o Partido Socialista ficou fora do pleito presidencial numa derrota histórica. Para o segundo turno: Le Pen e Macron. Este, ainda que se apresente menos endurecido que Le Pen, é um liberal e pensa como um banqueiro. Macron é o sócio francês da família Rothschild.

Logo, os expatriados não contarão mais com a Europa. Fugirão, às grandes levas, para uma América alternativa, isenta de Trump - este Shangri-La situado abaixo da Linha do Equador. Consequentemente, como povo hospitaleiro e pimpão - que já recebeu nazistas, terroristas italianos e carniceiros vindos de ditaduras africanas -, aqui estaremos com os nossos braços abertos.

Em 2015, autoridades espanholas flagraram
 o menino marfinense Abou, que
chegava à Europa dentro de uma mala
Fora de dúvida, o que o governo pretende afrouxar no papel, o povo brasileiro já afrouxou na prudência e na sensatez há décadas. Gente que não se questiona. Gente que não questiona a moral e a ética das pessoas que governam o seu próprio país. Gente que aceita qualquer vara no traseiro! De fato, uma gente assim jamais questionará a qualidade de quem chega de um mundo tão injusto e assassino. Terreno fértil para radicalismos, país nenhum está livre de ser. Nesse jogo de conspirações e inimigos sem rosto em que, nas últimas décadas, o nosso planeta se tornou, temeridade é mesmo quando se deixa tudo ao deus-dará.

Com ou sem reforma, sempre haverá pouco discernimento e muito "boboalegrismo" brasileiro no ato de identificar e apartar indivíduos criminosos da massa de verdadeiros pobres coitados. Afinal, ter um pouco de razão e cautela é pedir muito para o nosso caloroso e relaxado caráter. 

Comentários

ze disse…
André, como sempre texto firme, mas eu, particularmente, fico indignado com a ideia de "não acolhimento" a quem quer que seja. Não acho que a Europa, EUA, ou qualquer outro lugar sabem ou elaboram melhor que ninguém,são só mais protecionista, não são o supra sumo em nada, têm cara e jeito de "Papai-sabe-tudo", uns "narizes-empinados". Não tenho nada contra acolher refugiados, antes imigrantes, eu disse "acolher" o quê não quer dizer praticar "boboalegrismo"! Sem ser ingênuo, de quê seve então ser humano, solidário? Nenhum país está isento de Trump!Nem o próprio EUA!
Fomos, acolhidos, num passado não tão distante, numa época de guerra em andamento, diferente de um "medo" em eterno processo...Sim, há regiões, Síria, etc...que sim, seus cidadãos carecem de apoio urgente....O Brasil é sim um caldeirão de Etnias, tem imigrantes de tudo que é lugar, talvez um país único, neste sentido. A ONU, se tornou inoperante, há tempos, quem "obedece" suas decisões atualmente?...desde a Guerra no Iraque....ela caiu em descrédito!Dentro de critérios razoáveis, devemos sim acolher, os agora "refugiados", antes "trabalhadores de outros países". Quem no Brasil não tem raiz em outro país? Fomos acolhidos, devemos, agora, acolher. Abraços, José Luís O.Bombonatti

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …