Pular para o conteúdo principal

LINDA, MAIS QUE DEMAIS >> Carla Dias >>


Sua lindeza é curvilínea e habita as esquinas e os becos e os prédios – abarcados ou não pela felicidade – e os erros e a pessimamente urbanizada natureza humana. Evita-se observar algumas de suas zonas – e a elas dirigir um tanto de respeito que seja –, que nem todas excitam o olhar, apenas incitam a reflexão sobre a indelicadeza com a qual se negam a dedicar tempo para temperar de cuidados as suas ruas.

Cuidar de quê?

Para quem?

Para todos, um filantropo responderia, devidamente endossado por líderes religiosos voluntários, empregados – do turno da noite – de lojas de conveniências, avós especializadas em educar netos, catadores de latas, elas que já foram o prazer de um desconhecido que decidiu esvaziá-las. Palhaços bradariam: para todos!, com a alegria corrompendo o cansaço de quem gargalhou o dia inteiro, sem que lhe fosse oferecida uma única inspiração que confortasse seu espírito. Porque a alegria - como vieram a descobrir os experientes na arte da sobrevivência – é uma manifestação de resistência.

Resistem, então. Gargalham suas dores e dominam seus demônios.

Mas não sem colecionarem desapontamentos e se refestelarem em rótulos ao posarem de indivíduos críveis. E se desapontarem durante conversas nas quais nunca são sujeitos, apenas objetos, trampolins para estatísticas. Porque existem, apesar do cansaço do olhar daqueles que insistem em não os reconhecer pessoas e a lhes negar direitos. Eles que estão ali, nas esquinas, nas entranhas dela, no estranhamento, nas milongas e nos devaneios, no samba de roda, nas estações de trem, na calçada tomada pelos ambulantes, nas zonas evitadas pelos guias turísticos.

Vê que linda? Não dessa beleza de capa de revista, que cabe em design de mercado financeiro ou se destaca em trend topics ao se tornar tema de projeto limitado. Quem enxerga essa lindeza, prefere se sentar e apreciá-la, em vez de se dedicar a moldá-la, até que ela caiba em resumo.

Não se resume a lindeza, meus caros. Para desfrutar dela: aceitá-la. Resolver seus problemas com sobriedade e desvelo.

Ao diminuir a velocidade, quem sabe, será possível perceber suas nuances e evitar alguns acidentes. A pressa reverbera o descuido e o descaso. Veja bem essa lindeza na qual cabe também as imperfeições, as suas questões, a sua inegável necessidade de reparo, até o rio fétido que a corta faz parte de sua lindeza, simplesmente porque nela cabe, dela vem, por ela retomará sua fluidez e salubridade.

Seus contrastes, suas auguras, suas batalhas.

Não se esqueça daqueles que moram à deriva da geografia defendida pelos comerciais de televisão. Nem tudo cabe em tela. Sua lindeza é divergente e imprudente, está nas fronteiras, nas mudanças de cenário, nas peles coloridas, na misturada, nas estações de metrô, nos ônibus lotados, na pluralidade daqueles que a acarinham com os pés, durante caminhadas, até o trabalho.

Linda, não?

Para cuidá-la, melhor não a ignorar como um todo... Um tudo. Todos. Todas as suas zonas a se deliciarem e a encararem suas mazelas.

carladias.com

Comentários

albir silva disse…
Sampa, né, Carla? Mas quase todas as metrópoles cabem no seu texto, tão denso e universal que ele é. Quanto à velocidade, pena que acabaram de aumentá-la!
Carla Dias disse…
Sampa, Albir. Esse projeto-vitrine, que não olha por todos. Projeto seletivo. Beleza, nele eu não vejo.

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …