sexta-feira, 29 de maio de 2015

REINICIAR >> Paulo Meireles Barguil

 
A fila no caixa do supermercado não andava.
 
Corpos se balançavam para descobrir, lá na frente, o motivo do engarrafamento dos carrinhos repletos de frutas e verduras.
 
— O sistema travou. Vai ter que reiniciar — foi o que me disse o senhor que estava na minha frente.
 
E ele continuou:
 
— Essa tecnologia é boa, mas quando nos deixa na mão...
 
Eu repliquei:
 
— É verdade, mas ela tem crédito.
 
Não houve tréplica.
 
Resolvi, então, continuar a conversa comigo mesmo, no modo silencioso e sem vibração...
 
Em inúmeras situações, no cotidiano, o fluxo é interrompido.
 
Às vezes, a ocasião é singela e rapidamente o cenário anterior é retomado, com poucas ou nenhuma alteração – interna ou externa.
 
Outras vezes, contudo, a circunstância é mais complexa e o reinício demora muito mais do que o desejado.
 
Nesses casos, de modo geral, é necessário estabelecer uma nova configuração, em virtude da irreparabilidade da cena.
 
Não basta, portanto, substituir o que se acredita que causou a pane, mas compreender a dinâmica que a originou.
 
Essa habilidade é muito mais uma arte, que demanda sensibilidade e paciência, para mergulhar nos infinitos mistérios da vida, do que uma técnica, que se expressa mediante procedimentos conhecidos.
 
— Próximo — falou-me a atendente.
 
Tive sorte: desta vez, até que foi fugaz!


Partilhar

Nenhum comentário: