Pular para o conteúdo principal

O LEITE COMEÇOU A ESQUENTAR >> Mariana Scherma

Eu tenho um chinelo que existe desde, sei lá, 1997. É antigo, pesado e confesso que não aguentava mais usá-lo, mas ele não deteriorava jamais. Torcia para que as tiras arrebentassem, rezava para que o solado se tornasse perigosamente escorregadio, mas nada. O fato de esse chinelo ficar na casa dos meus pais e eu só usá-lo em um ou outro final de semana é o segredo da longevidade dele, de certo. Eu meio que já tinha aceitado que ele fosse eterno, apesar de todas as minhas preces. Minha implicância se deve ao fato de ter ganhado chinelos tão lindos, mas, com a minha mania de usar tudo até a última gota, me sentia meio traidora andando pra lá e pra cá com novos chinelos e os antigos, chateados. A culpa do peso deles era do fabricante, ué. E eles eram fiéis, me acompanharam da fase adolescente à adulta.

Até que um dia desses, eu entrei em férias e passaria a usá-los todo dia. Passaria. A primeira parada dos chinelos velhos foi a biblioteca da cidade. Entrei na biblioteca e tropecei feio, virando o pé. Pra minha surpresa: o chinelo arrebentou. Mas eu ainda tinha trezentos lugares pra ir. “Vai descalça”, foi a conclusão da minha mãe, que depois decidiu voltar pra casa pra pegar outro par de chinelo porque “seria ridículo entrar descalça por aí”. Ela muda rápido de opinião. Libriana.

Na hora, me vieram dois ditados à mente. Primeiro: cuidado com o que você deseja, uma hora acontece. Segundo: o leite só ferve quando você sai de perto. A maldita mensagem de WhatsApp só chega quando você desencana. A chuva só aparece quando a sombrinha fica em casa. Sua compra do Aliexpress só aterrissa na portaria quando você nem se lembra mais dela. Ai, tantas coisas só acontecem quando você se distrai delas. Essa história de se esquecer pra acontecer é o que pega. Alguém aí me diz qual o segredo?

Eu tenho uma memória de elefante. Me lembro de absolutamente tudo e vivo fingindo para o universo que esqueci o fulano e que, ok, ele já pode me escrever. Mas o universo é esperto e não cai na minha atuação canastrona. Eu leio um ou dois livros por semana, me acabo de trabalhar (agora, férias, admito), malho feito militar, ouço música, durmo, sonho, mas não esqueço. Nunca. Nada. A vida é aquilo que acontece enquanto fazemos planos, mas não fazer planos, não sonhar é tão confuso, é tão ilógico, é como se você vivesse às vontades do universo que só quer que você se distraia pra lhe surpreender. Vou tentar me desligar da tomada. De verdade, universo. O primeiro passo foi a tira do chinelo arrebentar. Já, já o leite borbulha, confere? Ou não.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …