Pular para o conteúdo principal

O DIFERENTE >> Carla Dias >>


Sempre foi uma pessoa lógica e organizada com as coisas da vida. Até sentimento incômodo tem sua gavetinha certa onde ser arquivado, um espaço dentro dele que lhe garante deter os obstáculos provocados pelo arrebatamento oriundo das emoções.

Considera-se pessoa normal, com uma vida decente, que lida de forma eficaz com o pouco dinheiro que ganha. Um sobrevivente de uma realidade nada enfeitada. Gaba-se de ser capaz de enxergar o óbvio sem fantasiar a respeito dele, somente para deixá-lo mais palatável.

Uma das coisas que o incomodam profundamente é quando uma pessoa diz que acordou diferente. Ele não consegue entender isso. Diferente como? Diferente por quê? A resposta nunca o convence, ao contrário, faz com que desacredite com mais vigor tal declaração.

Não pensem que ele é rígido a tal ponto de nunca se permitir refletir sobre o que difere do seu pensamento, da sua crença. Ainda semana passada, ele foi com um dos colegas de trabalho a uma cartomante. Ele não tem amigos. Acredita que colegas o tornam uma pessoa mais eficiente em relação à vida, pois demandam menos tempo e menos esforço emocional. Então, a cartomante lhe disse coisas absurdas, e ainda cobrou caro por isso, arruinando seu orçamento de abril e maio. O colega saiu de lá animadíssimo, que a boa sorte escancarada nas cartas garantia que ele encontraria a Senhora Felicidade. No dia seguinte, o tal colega chegou para trabalhar anunciando para todos que acordara diferente.

Diferente?!

Ele gosta de música, de boa música. Mas este é um segredo que mantém bem guardado, que por conta da mania geral de se ligar o gosto à agenda do indivíduo, ele prefere evitar os convites dos colegas para ir a shows. A música para ele é a cortesã dos seus sentidos. O único deslumbramento no qual se permite aprofundar.

Mas então a ironia...

De cara com o espelho, ele observa a si, porém não se reconhece. A feição é a mesma, a cicatriz adquirida na infância está lá, na sua testa. Vestiu a sua roupa de quarta-feira, penteou-se com os movimentos de sempre, tomou uma xícara de café, respeitando o ritual. Mudou nada, ainda assim...

A agonia assume o controle do espírito dele. Diferente como? Diferente por quê? Para quem nunca se deu ao desfrute de espiar mistérios, ele se joga ao questionamento irrestrito. Acha que a cartomante rogou praga nele, que os santos para os quais a mãe reza – pedindo que o filho tome tento e arrume casamento, que ela não quer morrer antes de ter ao menos três netos – decidiram escravizá-lo com benevolência indigesta. Está certo de que seu chefe interferiu na sua energia de tanto malquerer sua eficiência.

Sai de casa ruminando incertezas. Pergunta ao universo, em alto e bom som – assustando os transeuntes - por que vitimá-lo dessa forma, arrancando-lhe o direito de continuar a ser o de sempre. O de sempre não é ruim, mas previsível, raramente dá problemas.

Obviamente, no dia em que é o de ele acordar diferente, o universo está irredutivelmente calado.

Nunca foi de caminhar, mas já se passaram horas, e ele ainda a perambular pela cidade. Nunca foi de prestar atenção ao entorno, matar curiosidade com o olhar sobre a aparência daqueles que passam por ele, ou das janelas abertas, dos cenários diversos que povoam um lugar. Só que hoje ele acordou diferente e não sabe o que fazer com isso. Ainda acha que tem a ver com feitiçaria, porque não há equação que explique esse resultado.

No final da tarde - desse que é primeiro dia útil em que não bate cartão, em vinte e três anos de trabalho -, ele se sente exausto. Senta-se no meio-fio e assiste a cidade se esvaziar, aos poucos, logo após a correria dos que querem mais é chegar em casa e tirar os sapatos, abraçar os filhos, cortejar amante, esbaldar-se em solidão.

Antes de o sol partir de vez, ele lança sobre a cidade uma luz-despedida, que embeleza cenário árido, que evoca contemplação. Nesse momento, ele compreende que não somente caiu na armadilha do destino, ao qual nunca deu muito crédito, até agora. Porque hoje ele não apenas acordou diferente, ele acordou curioso a respeito das diferenças. Elas que garantem à vida nuances, tons.

Bem que a cartomante disse...

Foto © Carlos Eduardo Drexler

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …