Pular para o conteúdo principal

ATÉ QUANDO? >> Sergio Geia


No meio de arbustos, flores e capins da simpática pracinha, eis que me surge à visão nada mais nada menos que ele. A ficha caiu quando me deparei com a sua silhueta: poxa, faz tempo, hein? Tudo bem que ele está diferente depois do banho de loja: não tem mais aquele logotipo azul da Telesp, nem a cor alaranjada dos tempos em que a Banda de Ipanema era apenas um bloquinho liderado pelo pessoal de “O Pasquim”, mas na essência é ele: a mesma orelha bojuda, a mesma cintura, a mesma perna esguia, o mesmo folião de sempre. Só que muito menos requisitado, isso sim, pela moçada pós-moderna chegada num celularzinho.

Nem sei ainda como ele não se abraçou às remingtons, vinis, leiteiros, limpadores de chaminés, e tudo o mais que foi comido pela modernidade, pra tomar a Sapucaí num demodê desfile de escola de samba de fazer inveja às Tijucas, Portelas e Salgueiros da vida. Aliás, no quesito vinil, tenho uma coleção aqui em casa e, diferente de muita gente, não me desfaço dela por nada. Ainda acho que vou encontrar uma vitrolinha modernosa para tocar Nuvem Passageira, do Hermes de Aquino.

Pois descobri, amigos, que uma chinesa naturalizada brasileira, uma arquiteta, a senhora Chu Ming Silveira, foi quem criou a cápsula de formato oval que o brasileiro, num bullying rasgado, alcunhou de “orelhão”. Por falar em bullying, lembro-me de um amigo com orelhas de abano que sofreu horrores nas mãos de um outro que vivia pedindo ficha pra galera, com a desculpa que queria fazer uma ligação no orelhão da Telesp.

Mas os telefones públicos quebraram o galho de muita gente. Uma ex-namorada, por exemplo. Eu a via na esquina e sentia o Ártico se apoderar do meu estômago. Estava em casa e quando atendia ao telefone, não via a hora de a ficha cair. E ela caía, literalmente.

Aliás, a expressão linguística “cair a ficha” tem origem aí. Ao completar uma ligação num telefone público, uma ficha metálica caía, e se você quisesse falar mais, tinha que ir inserindo fichas; terminava o tempo da primeira, o aparelho comia a outra, e assim sucessivamente. Se a ligação não fosse completada por algum motivo, a ficha era devolvida (nem sempre). Se as fichas acabassem, ao término do tempo da última, a ligação era cortada. Isso no tempo das fichas metálicas, até serem substituídas pelos cartões. Mas a expressão “cair a ficha”, metaforicamente, tem esse sentido: o momento em que você passa a entender uma questão.

Fico pensando até quando esses pândegos vão continuar por aí misturados à paisagem urbana. Meus filhos nunca vivenciaram a experiência superior de falar na orelha bojuda de um telefone público. Se bem que, deixando o romanesco na avenida, acho que não perderam grandes coisas. Muito menos fichas.
 
Ilustração: Joan Miro, Carota, c-1978

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …