Pular para o conteúdo principal

O MONÓLITO - final >> Albir José Inácio da Silva

(Continuação de 04 de maio de 2015)

O Professor, único intelectual presente, obteve a palavra de volta, em meio ao tumulto que ameaçava se formar. Acreditava que o obelisco fosse um artefato trazido por extraterrestres. Precisava de mais estudos para determinar a origem, a finalidade e a razão de tão estranha forma.

O Padre, quando conseguiu falar, esbravejava. Era castigo dos céus! Só ele e Deus sabiam das barbaridades que escutava no confessionário! Que se lembrassem de Sodoma e Gomorra! Era chegada a hora! O final dos tempos! O apocalipse!

A beata Santinha, abanando-se, pois começara a sentir muito calor desde essa manhã, não acreditava em castigo. Aquilo era tentação do Demônio pra fazer a gente pensar besteira. Pra levar a gente pro inferno.

O Coronel pediu silêncio de novo e quis saber que providências já tinham sido tomadas. O Prefeito informou que mandara o trator, mas as rodas giraram sozinhas e o bicho não se mexeu um dedo do lugar. As bananas de dinamite fizeram buracos em volta, mas nenhum arranhão nem nas pedras nem nele. O material era desconhecido. Duro que nem concreto por dentro, mas tinha uma maciez incômoda na parte de fora. Embora ninguém admitisse tê-lo tocado.

Trocaram-se acusações e a reunião terminou com uma única deliberação. Um mensageiro levou cartas desesperadas à Capital.

O dia amanheceu e verificou-se que a coisa, assim como veio, sumiu. As pessoas, quando não a viram mais, seguiram para seus afazeres e a praça ficou quase deserta.

Mas uma comitiva trouxe da Capital um Bispo, um Delegado e um Major do Exército.

O comitê de recepção compunha-se dos assustados Padre, Prefeito e Sargento. Os três juravam, em frente à antiga fonte, ter visto “com estes olhos” o informado nas cartas.

 Depois de uma viagem de muitas horas e pingando suor debaixo do sol escaldante, os da Capital entreolharam-se. O Delegado quis prender o Prefeito, mas não achou qualquer justificativa no Código Penal. O Major do Exército, que não ligava muito para códigos, prendeu o Sargento PM, embora não houvesse entre eles qualquer hierarquia.

O Bispo foi logo avisando ao Padre que ele seria transferido para a selva amazônica, numa região infestada de cobras e de febre amarela. O Padre, sorrindo, completamente bêbado, disse que não se importava. Era Padre, mas era macho e não ia mesmo ficar numa cidade visitada por aquilo.

A vida voltou ao normal e a cidade divide a sua história em antes e depois da coisa.

 O Coronel proibiu que se falasse nela em sua Fazenda, e também na cidade.

 As irmãs Felício continuaram acendendo velas todos os dias sobre as pedras. Pedras sagradas, segundo elas, mesmo sem o santo.

Para a beata Santinha os calores continuaram, mas ela já não está mais tão indignada. Dizem até que conseguiu uma réplica em silicone. Menor, é claro.

O Professor deixou o magistério e se dedicou à Ufologia. Mas ainda não tem melhores explicações sobre o visitante. Quando indagado, e sabedor das proibições que envolvem o assunto, filosofa sua dúvida:

- Falo ou não falo, eis a questão!


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …