sábado, 23 de maio de 2015

DAIQUIRIS E MOJITOS >> Sergio Geia



 
 

Perguntei como ele estava depois da bebedeira noite passada. Era um amigo não muito acostumado ao álcool. Até me surpreendi quando ele aceitou tomar umas. Em resposta, disse-me que acordou de madrugada com dor de cabeça e azia, ao que indaguei se o mal não teria sido em razão dos espetinhos que ele devorou no fim da noite. É... Pode ser...

Mas a conversa banal me arrastou para o campo das bebidas. Coisa de quem não tem o que fazer, sabe, numa noite fria de domingo. Resolvi até anotar tudo num papelzinho. Quem sabe um dia não vira crônica, hein?

Cerveja/chope: sabe que desde muito cedo aprendi a gostar. Coisa de família. Venho de uma que bebe pra diabo, e que sempre se reunia pra bater papo, rir, comer e principalmente beber, é claro. Lembro-me de uma vez, não sei quantos anos tinha, em que enchi a cara de cerveja, presunto e abacaxi. Bebi tanto que saí falando castelhano. Mas prefiro chope. Bem tirado, gelado, três dedos de espuma.

Vinho: veio depois da cerveja. Confesso que demorei pra tomar gosto. A primeira vez foi ruim, mas o paladar aos poucos foi se acostumando. Levava minha ex-mulher pra jantar num restaurante na Armando Sales. Começamos juntos a apreciar. Bons tempos.

Cachaça: nunca gostei. Batidinha, só se tivesse leite Moça. Pura então, nem pensar. Mas não é que de uma hora pra outra, aquelas coisas que acontecem sem explicação, uma bicadinha aqui, outra acolá, e ela começa a fazer parte da minha vida? Não me lembro muito bem como tudo começou. Na verdade, sinto que venho mudando em algumas coisas. Alimentos de que não gostava, por exemplo. Bacalhau, sobrecoxa de frango, berinjela e mortadela. A cachaça entra nesse time.

Uísque: da cachaça para o uísque foi um pulinho. Depois de estar consumindo cachaça regularmente, dei por mim dando uma bicada no copo de uísque de uma amiga. E não é que ele desceu macio!?

Dizem por aí que a bebida alcoólica pode ser um catalisador de genialidade, e que grandes obras primas da literatura mundial não existiriam sem ela. O copo está ou esteve presente em algum momento na mesa dos grandes escritores. F. Scott Fitzgerald, por exemplo, era chegado num coquetel de gim, misturado com água e limão. William Faulkner gostava de uísque. Oscar Wilde, de absinto. Edgar Allan Poe, de uísque e absinto. Hemingway apreciava daiquiris e mojitos. João Ubaldo bebeu muito uísque até se tornar um abstêmio.

Pois esse papo todo, amigo, me deu inspiração. Não, não, eu não vou acarinhar as teclas do meu companheiro em busca de um bom texto, transformar as anotações do papelzinho numa crônica sobre bebidas. Eu vou é tomar um uisquinho. Depois, quem sabe... Tá servido?
 

Ilustração: Picasso, The absinthe

 



Partilhar

2 comentários:

Brasilino Neto disse...

Sérgio uma amenidade só esta crônica. A mim cumpriu excepcionalmente sua finalidade, pois me fez viajar gostosamente.

O fecho então, ao falar dos daiquiris e mojitos, me transportei para o "La Bodeguita", em Havana, Cuba, onde pude me sentar na cadeira onde se sentava Ernest Hemingway para tomar estes drinques, seus preferidos e conversar com o garçom que o atendia. Foi um momento mágico em minha vida. Um abração pela relembrança que me possibilitou agora. Excelente.

sergio geia disse...

É muito legal, Brasilino Neto. Por isso que é gostoso escrever, provocar boas sensações nas pessoas, uma lembrança, um sorriso, uma emoção qualquer. Obrigado pelas palavras e por sempre acompanhar as crônicas