Pular para o conteúdo principal

MELHOR PARAR POR AQUI >> Clara Braga

Entrei em uma rede social e vi as pessoas revoltadas com alguma coisa relaciona à Gisele Bundchen, não consegui entender direito o que era, a última notícia que eu consegui acompanhar tinha sido a da sua aposentadoria, mas algo me diz que não era com isso que as pessoas estavam indignadas.

Outro dia entrei de novo e desta vez as pessoas estavam muito indignadas com a Kate Middleton, que apareceu de salto, maquiada, linda e maravilhosa no meio da rua só 6h depois de dar a luz. De fato, no meio da rua com um recém nascido Kate? Pesado… Mas daí para ter tempo de criar uma teoria da conspiração dizendo que ela nunca esteve nem grávida, que usava barriga falsa, que aquela criança não havia nascido de fato aquele dia, resumindo, que é tudo mentira, aí já ficou difícil acompanhar!

Já outro dia entrei novamente e me deparei com mais revoltas, reclamações, indignações e etc. Algumas muito justas, como as mobilizações em apoio ao massacre dos professores e a denuncia do racismo sofrido por uma mulher negra após postar uma foto sua no facebook. Outras já mais abstratas, como as críticas ao vestido da Rihanna que mais parecia uma pizza e rendeu diversos memes. 

Justas ou não, a verdade é uma só, rede social virou esse espaço no qual as pessoas entram se sentindo donas da verdade, juram que são super poderosas, e começam a julgar todo mundo, sem filtro ou limite algum, já que fica tudo no virtual e eu estou protegido pelo belo escudo que é a tela do meu computador. 

Há quem diga que esses comportamentos estão começando a deixar a rede social um tédio, chata, assim como o jornal. Diminuí minha relação com os jornais televisivos quando me dei conta de que só são noticiadas coisas ruins. Se é algo positivo nós vamos te dar meio minuto para falar, se for alguma tragédia nós deixamos bastante tempo no ar, forma de garantir um bom ibope.

Nesse ponto o facebook tem uma vantagem, se você tem um amigo carniceiro que só compartilha notícias absurdas, você se cansa, bloqueia a pessoa ou só exclui do seu círculo, aí, aos poucos, seu facebook vai ganhando sua cara no que diz respeito a potagens interessantes, já o jornal nacional você só pode escolher assistir ou não, não tem como ir excluindo as notícias até sobrarem só aquelas que você acha legal!

Falando em jornal nacional, legal mesmo é ver o William Bonner tentando ser despojado nesse novo formato mais tranquilo e relaxado do jornal, nossa, não combina nem um pouco, alguém tem que falar para ele! Muito engraçado! Ops… já estou aqui sendo mais uma iniciadora de fofocas desimportantes da vida alheia! Melhor para por aqui!


Comentários

Conceicao Belo disse…
Parabéns Clarinha, muito bem escrita sua crônica!
Realmente as redes sociais estão bem entediantes.
Bjs
Ceiça
Graziela Yang disse…
Me sinto muito bem lendo esse tipo de crônica, mas é isso o charme da crônica, a bisão visão tão leve de um pedaço do seu dia, o puro pensamento.
Gostei bastante, foi leve e descontraído, mais descontraido do que o novo formato do JN
http://cronicasdos17.blogspot.com.br/?m=1
Graziela Yang disse…
Me sinto muito bem lendo esse tipo de crônica, mas é isso o charme da crônica, a bisão visão tão leve de um pedaço do seu dia, o puro pensamento.
Gostei bastante, foi leve e descontraído, mais descontraido do que o novo formato do JN
http://cronicasdos17.blogspot.com.br/?m=1

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …