domingo, 29 de junho de 2008

A PÁ LAVRA >> Eduardo Loureiro Jr.

Annalisa Shepherd"Penetra surdamente no reino das palavras."
(Drummond)


Você conhece o poder das palavras. De salvar uma alma penada das penas de outras palavras. De cavar sepulturas. De alçar às alturas. De ajoelhar. De fazer chorar: de dor, de alegria. O poder da coberta e o de desnudar. De mover as pessoas. De parar as pessoas. De impedir as pessoas. De tudo o que há, podem as palavras. E podem — ainda — de tudo o que não há, mas que se possa imaginar.

Conhecendo o poder das palavras, a gente tenta se apoderar. Qual a palavra que abre? — Abracadabra. Qual a palavra que voa? — Pirlimpimpim. Qual a palavra que encerra? — Chega! Qual a palavra que entrega? — Adeus. Qual a palavra que leva? — Inté. Qual a palavra que pede? — Perdão. Qual a palavra que toca? — Vem... E por vezes acertamos a palavra e o desejo, e sentimo-lhe a firmeza como se o poder fosse nosso.

Mas a palavra vem de antes do nosso corpo. "No princípio era o verbo", e não a carne. Nós fomos feitos da palavra — não a fazemos. Quando pensamos que a empregamos corretamente, estamos é sendo usados por ela. Ou — pelo mais — sendo UM com a palavra. "O coração do homem pode fazer planos, mas a resposta certa vem dos lábios do Senhor." (Provérbios 16:1)

Então — humildes — em cada coisa tentamos apenas — a penas — ser a boca da palavra cujo poder nos evoca. E torcemos para que em meio àquilo tudo, àquele tanto de palavras, alguma haja que alivie o nosso coração e também a corda-ação do outro. Sem o certo poder de produzirmos o efeito desejado, resta-nos a esperança de que a terra que a pá lavra seja um bom terreno para os nossos sonhos.



Partilhar

6 comentários:

Marisa Nascimento disse...

E como diz o poeta: "Que a terra nos seja leve...", assim como são seus textos, sempre nos fazendo refletir sobre a riqueza daquilo que possuímos!

Eduardo Loureiro Jr. disse...

Marisa, grato por você ser sempre um campo fértil. :)

Denise disse...

Querido Edu,
Por sermos ainda imperfeitos, nem sempre sabemos fazer uso da palavra, nem sempre o que sai da boca veio do coração.
Beijo

Eduardo Loureiro Jr. disse...

Querida Denise, os corações também se comunicam diretamente, amenizando as imperfeições das palavras. :)

michelinenunesdarocha34 disse...

Queridíssimo Professor Dr.Eduardo,


Amei a crônica...e de como agora pude compreender o poder certo da "palavra"..Sugiro, que inclua: qual a palavra certa para alcamar um coração? saudades...

Adoro vc!


Micheline Rocha

Carla Dias disse...

Que canteiro de palavras que, combinadas, aquietam a alma da gente, antes de incitá-la ao belo.