Pular para o conteúdo principal

NA TEORIA TODOS SOMOS PRÁTICOS >> Carla Dias >>

Há dias em que perguntas simples, e que merecem respostas objetivas, caem na vida da gente como se fossem chamarizes para desabafos ou delírios.

Ontem uma amiga me perguntou como eu estava, e ao invés de responder “tudo bem” ou “mais ou menos”, contei a ela uma historinha:

Eu... Nada. Estou confinada no meu mundo imaginário, onde os cobertores são quentinhos e o vinho substitui a água. Onde o pianista, que também arranha um violão, compõe ao lado de onde escrevo meus livros. Há quarto de hóspedes na casa, para receber os amigos, assim como canecas em louça coloridas para servi-los com café ou chá.

Sim...Eu ADORO canecas em louça!

Continuando...

Fico pensando se, valendo a previsão que um amigo fez para mim, há alguns anos, dia desses eu não entrarei nesse universo fictício e interessante e ficarei por lá mesmo... Maluca de tudo e, finalmente, feliz.

Hoje, outra amiga caiu na besteira de perguntar como eu estava:

Com um mau humor intruso que só... Onde já se viu mau humor invadir o dia da gente desse jeito!

O mau humor passou, depois de dois minutos e pouco de conversa.

No fundo, eu até gosto de dar respostas prontas: tudo bem, obrigada... Melhor é impossível (isso me lembra Jack Nicholson e Helen Hunt no filme) e etc e tal. Mas confesso que gosto muito mais de esticar respostas, em dias mais inspirados, claro.

Então, cuidado com as perguntas que me fazem...

Mesmo durante as conversas, eu acabo pegando as malas da doidice e viajando no assunto... Basta me dar corda.

Dia desses, um amigo estava baixo astral, cansado da rotina, dizendo que a vida andava chata. Passamos um tempão tentando encontrar algo que o faria feliz, mas nada! Pior do que estar triste é não saber o que poderia lhe fazer feliz, e ainda não estar no ponto de usufruir dos benefícios dos antidepressivos.

Então, eu inventei uma nova profissão pra ele:

Colecionador de histórias verídicas... Isso lhe dará um bom futuro, depois de conseguir um repertório bacana de intromissões na vida dos outros. Pense bem: você pode ser promovido a contador de histórias alheias e se aposentar como um ícone da arte de ouvir o que as outras pessoas têm a dizer e transmitir essas informações, sem ser rotulado, cruel e erroneamente, de fofoqueiro.

Bom, ao menos ele deu boas gargalhadas.

Semana passada, uma prima chorosa reclamava que não encontrava alguém bacana com quem se casar e ter filhos. Foi um chororô de cortar o coração. Ela até disse que achava que não era digna disso!

Enfim, eu já tinha esgotado as frases feitas e alguns provérbios e ela continuava naquela tristeza toda. Então, disse a ela que encontraria alguém, porque ela merecia... E mais! Que eu faria a produção do casamento dela.

Comecei a fazer os planos. O coração na mão e a imaginação a mil.

Há dias, também, em que conversas difíceis merecem um pouco de inventividade. Despertar em uma pessoa a esperança e o desejo de seguir adiante pode ser fácil. Complicado é que essa pessoa, ciente do que se passa com ela, deve alimentar disposição para encarar as suas batalhas pessoais.

Agora, com licença, mas vou tomar um café na minha caneca em louça... E ouvir um pianista imaginário tocar uma canção que ainda não foi composta.


www.carladias.com

Comentários

Muito bom, Carla! Acho que foi o seu texto mais bem humorado que já li. E gostei. Manda ver mais na Carla louca. :)
Marisa Nascimento disse…
Uia, Carla! Eu também adoro canecas! Tenho coleção! Vambora aproveirar o frio, tomar um cappuccino e alongar uma conversa?
Beijos
Carol Barcellos disse…
Carla, deve ser um barato conversar com vc pessoalmente. Até de mau humor, vc consegue ser criativa, e até positiva, e manter o senso de humor! As pessoas tb tem que tomar cuidado com as perguntas que me fazem, porque nos piores é que eu alongo as respostas, hahaha...

Beijinhos doces cristalizados!!! ;o)
Carla Dias disse…
Ah, Carol, obrigada por esse comentário. Sempre achei que me comunico melhor escrevendo, mas vai que estou errada?
E vai que dia desses acontece um bate-papo ao vivo, né? Um futuro encontro entre cronistas e leitores.

Beijos!

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …