Pular para o conteúdo principal

AGENDAS ROTINEIRAS [Sandra Paes]


Parece redundância. Talvez seja. Se é pra estar na lista do que fazer, parece óbvio que é pra seguir uma certa rotina. Mas há certas coisas e atos que se tornam incorporados, e, não sei que parte do corpo ou do cérebro dita suas normas, mas todo mundo parece seguir sem pestanejar.

O mais chato e irritante é ter que ouvir o de sempre: “Eu estou apenas fazendo meu trabalho.” Aí é que mora o perigo. Não sei quando foi que inventaram a escravidão do trabalho como forma de conquistar a liberdade. E com isso se justificam os cortadores de árvores, os matadouros de aves e vacas e porcos, os cortadores de gramas e podadores de árvores naturais, os construtores compulsivos com seus cimentos e tijolos empilhados, os policiais de ronda que espancam as pessoas em nome de manter uma possível ordem, as faxineiras domésticas que arrastam os moveis e passam o aspirador de pó com o rádio ligado às tantas - mesmo que tenha alguém em casa de cama, não suportando barulho -, os garçons e catadores de pratos das mesas que o fazem sem pensar, mesmo antes de se terminar o jantar servido, etc.

E assim vou enumerando essa massa de “gente” que se justifica ser humano, cumpridores dos deveres, vendedoras de seu tempo de vida em nome do salário pra consumir mais coisas e mais matérias, sem pensar se de fato é preciso.

E mais alguns carros são lançados na cidade, todas com seus pilotos automáticos, atrás de uma fila, indo para o trabalho - cumprindo suas agendas. E tome mais poluição, mais venenos em todos os sistemas, mais desequilíbrios nas cidades, nas casas, nas relações todas, até a total sacudida do planeta.

E segue-se o rumo “natural” das coisas que é apenas a falta de senso. Já nem digo mais que seja bom ou ruim, mas algum senso.

O “eu não quero nem saber porque tenho mais o que fazer” virou um jargão altamente aceito e justificável diante de toda e qualquer omissão. Não se pára mais pra ver o custo benefício de nada. Sacrifica-se mais alguma coisa, mais uma hora, mais um diálogo, mais uma presença, mais uma refeição decente e natural, em nome do correr pra matar um leão. E todo mundo achando isso o máximo. Seguir a agenda, cumprir a rotina - parece coisa de ronda de soldado de plantão que nem sabe o que está fazendo na guerra, e porque está lá, mas está cumprindo seu dever.

Eu fico aparvalhada, catatônica quase, diante da constatação desse programa destrutivo que degrada toda a espécie e a condena à extinção e a todas as outras. A ambição do fazer, o correr atrás de algo, o ter que fazer por fazer, virou mais do que um hábito ou um ato de sobrevivência: trata-se de uma endemia coletiva, que nada soluciona. Não acaba com a fome do planeta, não apazigüa os ânimos de nenhum ser respirante, não traz nenhum bem efetivo pra ninguém em nenhum lugar, apenas implementa a fome de ganhar, de investir em mais ilusões pra tentar saciar o vazio que consome internamente cada um e por isso há que se ocupar o tempo com qualquer coisa pra não encarar a terrível forma de escolher o próprio destino.


Escolhas... Quem está escolhendo o que diante do fato de cumprir as agendas e as rotinas? Quem ousa quebrar com seus próprios vícios pra escutar o grito silencioso de alguma virtude?


Os dias passaram a correr mais rápido, parecem seguir o ritmo acelerado da fome insaciável de tantos de ter mais uma graninha pra comprar mais uma bugiganga. E por que as horas se escasseiam, há que tomar pilulas mais, vitaminas a mais, ginásticas a mais, pra continuar a manter a corrida desenfreada em busca de alcançar o pique que é o portal pra destruição de todos nós.

Soube recentemente que falta apenas quatro anos pra grande virada... Do jeito que vamos, a Terra nos vai paralizar a todos, para sua grande sacudida no final de 2012.

Enquanto isso... Ooooohhhhhmmmmm!


Imagens: Desk Covered in Sticky Notes, Kate Mitchell; Dressmaker's Notebook, A. Inden

Comentários

Bem no alvo, Sandra! Você conseguiu colocar em palavras um incômodo que eu estava sentindo há algumas semanas: uma sensanção de que as pessoas estavam inventando coisas pra fazer porque não saberiam o que fazer se ficassem paradas um pouquinho.

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …