Pular para o conteúdo principal

Cronistas

Não é permitida a republicação regular dos textos do Crônica do Dia em outro site. Se você tiver interesse em republicar alguma crônica específica de determinado autor, favor entrar em contato com o mesmo. Caso ele autorize a republicação de uma crônica específica, ela pode ser feita desde que inclua um link para a crônica original ou para o site do Crônica do Dia. Dúvidas, enviar email para sergiogeia@uol.com.br

EDITORES: 

Sergio Geia
Eduardo Loureiro Jr. 

DOMINGO: 

Mariana Scherma - Leme - SP Jornalista que escreve para viver e sobreviver. A terapia de pôr os dramas e as loucuras no papel funciona bem e clareia a mente. Recomendo!

Fred Fogaça - São Francisco do Sul - SC. Paulista erradicado em terras franciscanas. Servidor Público, professor da área técnica extraviado nas artes.


SEGUNDA: 

Albir José da Silva  Rio de Janeiro – RJ. Funcionário público. Escreve contos e crônicas.

Branco - Taubaté - SP . Poeta. Autor dos livros "7" e "Poemas de Gaveta". Os textos de Branco dispensam adornos desnecessários, atendo-se ao básico, para descrever as vicissitudes humanas, as belezas ocultas pela rotina ou a simbologia presente nos elementos da natureza. Sua linguagem é imagética, aproximando-se muito da crônica; a falta de pontuação, um dos recursos utilizados por Branco, coloca o leitor na condição de cúmplice, estimulando o exercício da poesia existente em cada um. Ele dá os ingredientes, mas não a dosagem. Cada qual constrói o seu poema.

TERÇA:

Clara Braga Brasília – DF. Estudante de Artes Plásticas da UnB. Cronista do Crônica do Dia desde junho de 2010. Tem duas crônicas publicadas no livro "Elas escrevem". 

QUARTA: 

Carla Dias - São Paulo – SP. Escritora, cronista do Crônica do Dia, baterista e produtora de eventos. Autora do livro de contos e poemas Azul, e dos romances Os estranhos, Jardim de Agnes e Estopim, selecionados pela Secretaria do Estado da Cultura de São Paulo, através do edital ProAC. Site: www.carladias.com 

QUINTA: 

Whisner Fraga. São Paulo - SP. Escritor, autor de “Moenda de Silêncios”, “Coreografia de danados”, “A cidade devolvida”, “As espirais de outubro”, “Abismo poente”, “Sol entre noites”, “Lúcifer e outros subprodutos do medo”. 

Analu Faria Brasília–DF. Servidora pública nas horas brandas, atriz nas horas vagas. Formou-se em Direito e largou a Faculdade de Artes Cênicas. Escreve motivada por letras de música pop, para-choques de caminhão, vilãs de novela das nove, homilias e conversas de corredor. 

SEXTA: 

Paulo Meireles Barguil Fortaleza – CE. Criança estripulenta disfarçada de Educador Universitário. Pai de Samuel e Ana Beatriz. Aprender é sua brincadeira favorita. Quanto ao ensinar, ainda está se iniciando. Sites: www.paulobarguil.pro.br e www.ledum.ufc.br. 

Zoraya Cesar Rio de Janeiro – RJ. Uma funcionária pública que tornou-se escritora graças ao Terapia da Palavra. Jornalista, bacharel em Direito, com cursos de Florais de Bach, Aromaterapia, Reiki. Zoraya pode ser contactada pelo e-mail zoraya.cesar@yahoo.com.br 

SÁBADO

Cristiana Moura Fortaleza – CE. Psicóloga, artista plástica, arteterapeuta. Escreve crônicas porque algo de fora toca algo de dentro e algo de dentro precisa virar palavras a fora. 

Sergio Geia Taubaté – SP. Romancista, contista, cronista. Publica no Crônica do Dia, no Jornal de Caruaru (Caruaru - PE) e Gazeta da Estiva (Taubaté - SP). email: sergiogeia@uol.com.br

Comentários

Emmanuelle B. Florentino disse…
"È indescritível a sensação de ler um texto e se identificar totalmente com as palavras do autor."
Paula Pimenta

Realmente este time de cronistas é incrível e vocês literalmente sabem entreter as pessoas. Confesso que ler uma boa crônica todos os dias é muito melhor que assistir ao Big Brother, rsrs. Meus parabéns pelo excelente trabalho.

Emmanuelle
P. Roma disse…
Este comentário foi removido por um administrador do blog.
Anônimo disse…
Saudades de Leonardo Marona.
Luisa Machado disse…
Oi, estou aqui pra dar uma ideia, não sei se vão aceitar mas não custa tentar.
Vocês podiam fazer uma pagina só com cronicas de iniciantes sabe? Eu não sei se tem aqui, por que sou nova no site mas adoraria postar uma cronica que escrevi ( claro que se vocês gostarem dela ).
Obrigada pela atenção.
Aguardando a resposta
Ola, Luisa.

Grato por seu contato e por sua sugestão. :)

Houve uma época em que recebíamos crônicas avulsas de pessoas que queriam publicar, mas isso gerava um trabalho (de checagem de ineditismo, de edição, de revisão) que se tornou inviável. Mas pode ser que um dia retorne. :)

Eduardo
Ediani Oliveira disse…
Olá, gostaria de parabenizar os cronistas envolvidos nas produções. Acesso o blog diariamente e sempre me delicio com as palavras que encontro aqui.
Grato, Ediani. :)
Volte sempre.
Bea Ferreira disse…
Bom dia!!

Vocês teriam um email para contato?
Eu curso jornalismo e tenho muito interesse em trocar algumas ideias com os representantes do Crônica do dia! :)

Obrigada a atenção
Olá, Bea! :)
eduardoARROBApatio.com.br
Unknown disse…
Oi tudo bem Eduardo? Gostaria do contato da Psicologa Cristiana moura
Olá, Anônimo.
Me indique seu contato que repassarei para a Cristiana.
Ou então procure por ela no Facebook.
Grato.
Anônimo disse…
Este comentário foi removido por um administrador do blog.
MBorges disse…
Olá, achei a página há uns meses enquanto garimpava a internet atrás de crônicas pra ler. Hoje, no entanto, a visita é também um dos primeiros e hesitantes passos que dou em direção à concretização de um devaneio/desejo que há muito carrego em mim - diria que desde antes mesmo ser capaz de juntar A+B.
Sou estudante de Direito e nutro pela literatura um amor tão antigo que mesmo nas lembranças mais apagadas dos meus primeiros anos de consciência posso enxergar-me folheando algum escrito encantada por aquele amontoado de símbolos que eu não entendia, mas amava.
Hoje, há cerca de cinquenta minutos, tive uma sementinha plantada mais uma vez em minha alma. Meu caro companheiro suscitou a possibilidade de eu tentar a concretização do sonho de ser cronista. E eu, tomada pela paixão, pelo delírio, pela cara de pau e certa dose de impulsividade, aceitei a ideia. Já tinham me dito isso algumas vezes. Como disse meu querido, "que custa?".
Resumindo, eu gostaria de saber se existe alguma maneira de eu entrar em contato para conversar sobre esses meus primeiros passos no "pra valer" do mundo das crônicas. Na arte de escrevê-las e perdê-las nas gavetas da vida eu já posso dizer que tenho boa experiência. Vejamos aonde chego investindo nesse "quando crescer quero ser escritora".
Desde já, agradeço a atenção.

P.S.: amo a descrição da Mariana Scherma na sessão Cronistas <3
Olá, MBorges. :)
Um bom primeiro passo seria você criar um blog e começar a publicar as crônicas "da gaveta" e as novas crônicas. Boa sorte!
Igor Nonato disse…
Olá. Sou Igor Nonato. Moro em Minas Gerais. Escrevo crônicas para o Jornal da Minha cidade, Jornal Folha de Curvelo e também possuo um blog. Nele, publico crônicas de segunda a sexta, enquanto no jornal físico, uma vez por mês. Gostaria de participar do site de vocês. É possível?
Grato por seu contato, Igor. :)
No momento, não estamos aceitando novos cronistas.
Boa sorte!
Nahendi disse…
Olá,
Conheci o blog de vocês passeando aleatoriamente pela internet, à procura de um site de crônicas. Decidi usá-lo como corpus para a minha dissertação de mestrado, na qual trato de aspectos sintático-semânticos do Português Brasileiro.

Adoro as crônicas!
Abraço
Que legal, Nahendy. :)
Quando a dissertação estiver pronta, deixe um link aqui pra gente ler.
Larissa S.A disse…
Adorei a cara nova do site, ficou lindo!
sergio geia disse…
Obrigado, Larissa! Mudamos a cara e, em breve,
apresentaremos novos cronistas. Grande abraço e volte sempre!
sergio geia disse…
Este comentário foi removido pelo autor.

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …