PARTIDA >> Paulo Meireles Barguil

– Papai, não quero vir para sua casa na outra semana – falou a filha adolescente no final da usual caminhada noturna em volta do quarteirão.


Ele não foi pego de surpresa, muito pelo contrário!


Há alguns meses, ele conversara com ela sobre essa possibilidade.


Desde muito pequena, ela sempre teve duas casas: a da mãe e a do pai.


É natural, portanto, que, depois de tantos anos, a filha decida pausar a sua vida de peregrina.


O pai escutou atentamente os motivos e não se esforçou para refutá-los.


Após afirmar que os acolhia, indicou que talvez existam outros que não foram apresentados, seja porque ela os ignora, seja porque ela não se sente à vontade para expressar.


Quem é pai ou mãe sabe que o destino da prole é partir.


Quando isso ocorre, o mais importante é continuar disponível para favorecer os breves retornos, bem como avaliar o que pode melhorar para aproveitar mais os futuros momentos juntos.

Comentários

Zoraya Cesar disse…
Um momento difícil, contornado com maestria. E escrita!
Carla Dias disse…
Um relato muito bem escrito sobre momentos difíceis e necessários. Muito bacana, Paulo.

Postagens mais visitadas deste blog

APENAS UM RETRATO >> Sergio Geia

OK? >> Sergio Geia

SACERDÓCIO >> whisner fraga