E AGORA? - quinta parte >> Albir José Inácio da Silva

 

(Continuação de 18/04/2022)

 

O REVERENDO

 

E para maior regozijo temos nesta jornada a parceria infalível dos militares. A cruz e a espada juntas sempre fizeram sucesso. Basta lembrar os valentes cruzados, levando a verdade, a salvação e o amor cristão pelo mundo afora.

 

Nossos irmãos das armas são exemplos de honestidade. Vejam o general na saúde, mais que um ministro, a competência de farda! Pois bem, caminhamos juntos, assumindo os postos chaves da administração. Uma revolução silenciosa rumo à ordem, ao progresso e à fé!

 

É claro que isso incomodava Satanás. Havia resistências, interpretações românticas dos textos sagrados que impediam as pessoas de prosperar.  Distorções que chegavam até a apontar tendências comunistas em Jesus Cristo.

 

Mas o povo estava conosco. O paraíso era para depois, agora todos queriam riqueza e ostentação e era pra isso investiam na obra, mesmo com sacrifício. A prosperidade é pessoal e depende do esforço de cada um, é a meritocracia da fé. Não temos culpa da miséria de ninguém, cada um que faça por si. As diferenças existem, Deus criou as diferenças, não podemos igualar as pessoas.

 

Nossos parlamentares votam juntos no Congresso, bancada BBB: bíblia, bala e boi. O boi anda meio arredio por causa de umas denúncias no meio-ambiente que estão atrapalhando os negócios no estrangeiro. Mas bíblia e bala estão sempre afinadas: a bíblia abençoa as armas e as armas defendem a bíblia. Apoiamos a liberação de armas e eles votam conosco o perdão de impostos para as igrejas.

 

Mas as hostes do mal são incansáveis. Criaram a NOM – Nova Ordem Mundial - formada por comunistas, satanistas, pedófilos, abortistas e globalistas, com o objetivo de corromper e acabar com a família tradicional e o patriotismo. Precisávamos estar preparados, aproximáva-se o armagedom, a batalha entre o bem e o mal.

 

O inferno não dorme. Nossos irmãos fardados foram acusados de golpistas e de apoio a torturadores. Inventaram contra eles compras de viagra, próteses, lubrificantes e leite condensado com dinheiro público.

 

Nós fomos acusados de charlatanismo e de vender milagres para os desesperados, em forma de água do Jordão, óleo santo, vassouras pra varrer o mal e canetas para passar em concursos.

 

O mal está infiltrado nas escolas e na arte decadente, arrastando nossos jovens para o comunismo, homossexualismo e drogas. As universidades têm plantações de maconha e sexo em grupo.

 

Adversários inventam mentiras sobre pastores infiltrados no Ministério da Educação, cobrando propina em barras de ouro, e vídeos manipulados mostram o Ministro sugerindo espancamento de crianças para fins de educação.

 

A perseguição aos nossos representantes não param. Ministros, deputados e religiosos são presos, tornozelados, foragidos como se fossem bandidos. O que aconteceu conosco? Estávamos tão bem, empoderados, agora somos ridicularizados nas redes sociais. Que provação é essa? Será que Deus nos abandonou?

 

Estamos numa encruzilhada. Colegas mais antigos da fé e do Centrão dizem que no passado era mais fácil, era só trocar o apoio para o candidato vencedor e continuar no poder. Mas agora tem a internet, os inimigos resgatam postagens de anos atrás. Como explicar para os fiéis e para as novas gerações os ataques à democracia e os comportamentos nada cristãos?

 

Somos ungidos, somos humanos, temos direito de errar. Mas confesso que ando preocupado com juízo final. Vocês acham que teremos problemas em explicar para Jesus o nosso apoio a defensores e praticantes de tortura?


(Continua em 16/05/2022)

Comentários

Zoraya Cesar disse…
hahaahaha, Dom Albir, tô eu aqui ansiosa pra ver o desenrolar do raciocínio dele. Essa novela tá uma delícia, pode continuar!
sergio geia disse…
Albir, meu querido, tudo isso está muito bom. E bíblia e bala é ótimo. Aguardando os próximos capítulos.
Albir disse…
Obrigado, Sérgio e Zoraya! Abraços

Postagens mais visitadas deste blog

DIAS MELHORES >> whisner fraga

O MENINO DA MEIA PRETA >> Sergio Geia

O PAVÃO AZUL >> Sergio Geia