SUA QUASE MORTE NUMA TARDE DE DEZEMBRO >> Sergio Geia

 


Foi no banco, três da tarde, calor de Saara. Já na frente do caixa eletrônico, quando colocou as mãos no bolso traseiro da bermuda de sarja, ele sentiu. Quer dizer, não sentiu. Opa, e um vento congelante vindo ele não sabe de onde, pois estava um calor de Saara, tomou-lhe a espinha. 

O bolso de trás, sempre estufado, desta vez estava murcho, e inaugurava uma nova cena, estranha, inadequada. A sensação de que tudo corria bem, de que todas as coisas estavam em seus devidos lugares, o controle que temos sobre as coisas, ou pensamos que temos, ele mesmo, esse controle fake, em segundos, esvaiu-se. 

Nossa, amigo, me desculpe, nem o notei, e a mente começa a vagar, fico com a cara no celular, isso que dá, perdão, e o esbarrão tolo de minutos antes começa a ganhar força. O coração batendo disparado, TUM, TUM, TUM, TUM, TUM, ele conseguia escutar e sentir os saltos, TUM, TUM, TUM, TUM, TUM, assim mesmo, quando você sente uma tragédia acontecendo. O rosto, molhado pelo calor, antes uma umidade comum, de uma hora pra outra ganhou outra espécie de umidade, muito mais densa e muito, muito perigosa, milhares de partículas se formando e criando um lago de partículas de suor, ele suava mais que corredor em maratona numa São Paulo verão de 40 graus. 

Na primeira lanchonete que viu depois que saiu do banco, ele entrou. Pediu uma laranjada, preciso me acalmar, pensou, mas o coração acelerava mais, enquanto o pensamento viajava em cartões, débito, crédito, talão de cheques, documentos, a CNH, documento do carro — dinheiro mesmo tinha pouco —, toda a parafernália que o humano carrega na carteira para poder viver. 

As mãos trêmulas não conseguiam levar o copo de laranjada dignamente até a boca. A lanchonete estava barulhenta, gente apinhada, um diz que diz, povo falando alto, gargalhadas, um som difuso que começou a deixá-lo ainda mais nervoso. Foi então que deu um estalo, sentiu até o clique, clique, não, não poderia beber a laranjada, pensou, e caiu na real, não tinha dinheiro pra pagar, o dinheiro havia sido roubado. 

Achou por bem chamar a mocinha do balcão, explicar o acontecido, mas logo começou a ficar tonto, as vozes começaram a ficar distantes, sentiu uma forte dor de cabeça, fisgada no olho esquerdo, escureceu. 

Acordou deitado numa cama, num quarto escuro de parede alvacenta. Ao seu lado, a cara do filho preocupado. O que aconteceu?, perguntou, e ouviu alguém que estava no quarto dizer que ele desmaiara e que o trouxeram para o hospital. Estamos analisando, a mesma voz dizia, a pressão teve um pico, estamos avaliando o coração. 

Os filhos dizem que ele fez dúzias de exames, que fez cateterismo, que teve outro pico de pressão, que foi para a UTI, que saiu da UTI, que pegou COVID, que voltou para a UTI, que ficou entubado, que ficou mais de seis meses internado, que quase morreu, mas que por um milagre, sobreviveu. 

Hoje não lembra direito o que exatamente se passou naquela tarde de calor de Saara na lanchonete, as imagens são nebulosas e sem sentido, como um sonho, mesmo porque, a carteira que imaginou roubada nem havia saído da gaveta de sua mesinha de cabeceira, deixada por um comum esquecimento de quem já não tem mais a boa memória de antes.

Comentários

Nadia Coldebella disse…
E no fim de tudo, ele pagou o suco?

Sensacional! Como te disse, essa sua nova fase está demais! Você, além de cronista das pequenas coisas, é um contista das pequenas coisas.

Gosto muito dessa escrita que imprime um tom acelerado ao texto. Parece que a gente fica com o personagem, com o coração disparado dele, dentro dos pensamentos dele, fazendo companhia na confusão mental que tomou conta dele naqueles minutos.

Muito bom mesmo!
Grande abraço!
sergio geia disse…
Não tomou o suco e não pagou rsrs. Grato, Nádia, pelas palavras. Conto é um gênero que aprendi a gostar; tanto de ler como de de escrever. Além da crônica, meu gênero preferido sempre foi o romance, só lia romance. Comecei a me apaixonar pelo gênero lendo Lýgia e Cíntia Moscovich.
Zoraya Cesar disse…
Amei!!! Vc tá ficando uma pessoinha cruel hahahahah, o coitado quase morre por um esquecimento singelo. Ainda bem q vc deu um twist no final hahaha ainda rindo de prazer e de alívio!
Albir disse…
Olha, Sérgio, quem está falando em crueldade! Fosse ela, o coitado teria esquecido o cérebro no hospital.
Beleza de conto, a gente fica com sensação de que poderia ler dezenas de páginas nesse ritmo.
sergio geia disse…
Albir e Zoraya: sabe que o que me inspirou foi um fato real. Um amigo que quase teve um treco por procurar a carteira no bolso e não encontrar; depois, claro, descobriu que havia esquecido em casa. Mas até hoje, e anos se passaram, me lembro dele contando o episódio e indignado com a situação: "eu quase morro por causa disso". Claro que carreguei nas tintas, né rsrs.
Unknown disse…
The King Casino | Ventureberg
Discover the rise and fall of 출장샵 the ventureberg.com/ king casino, one of the world's largest The 1등 사이트 Casino is operated by the King Casino deccasino Group. You febcasino.com can

Postagens mais visitadas deste blog

DIAS MELHORES >> whisner fraga

O MENINO DA MEIA PRETA >> Sergio Geia

O PAVÃO AZUL >> Sergio Geia