UM DIA DE NÃO >> Albir José Inácio da Silva

 

Um dia ele amanheceu sem dores, e a mulher não reclamou de nada. Os filhos não pediram dinheiro nem brigaram antes de sair pra escola. Não recebeu nenhum telefonema de cobrança e, diga-se, o telefone nem estava cortado. Não viu o jogo ontem - nem sabe o porquê - mas seu time não perdeu, ou o vizinho já o estaria sacaneando aos berros.



Naquele dia também não teve que sair de madrugada com recortes de empregos para ouvir nãos e voltar com tristeza, cansaço e fome. Não o fizeram acreditar que era um fracassado, e uma espécie de conselho de família e amigos, embora reunido, não concluiu que ele era imprestável e preguiçoso. Passaram apressados e olharam como se, pela primeira vez, se preocupassem com sua doença.



Depois de muitos anos não ficou triste ao acordar, não teve vontade de se matar, não rezou sem fé, nem se arrependeu de nada. Bastava! Não ia mais aturar desaforos. Quem pensam que são? Como diz Pessoa em linha reta, estão sempre campeões em tudo? São semideuses? Só ele é vil? Não era perfeito, mas quem ali podia se considerar melhor que ele? Queriam mantê-lo assim, precisavam de sua humilhação, os abutres. Que fossem procurar outra carniça!



Ele não tossia, não engasgava nem fazia caretas pra respirar. Não precisou se arrastar até o ambulatório e esperar sentado no chão. Aquela vizinha enfermeira de mão pesada não apareceu com seringas e agulhas cada vez maiores e, apesar das marcas de ontem nos braços, não houve tortura naquele dia.



Num dia assim tranquilo não havia motivos para atrasos, e seu enterro saiu pontualmente às quinze horas.

 

Esse texto faz parte do PROJETO CRÔNICA DE UM ONTEM e foi publicado originalmente em 07 de fevereiro de 2011.

Comentários

branco disse…
Este comentário foi removido pelo autor.
branco disse…
mestre albir...é tão bonita e "feia", gentil e "rude", triste e libertária, estranha e familiar que faz jus quando o chamo de mestre.
gostaria de ter escrito essa.
Nadia Coldebella disse…
E vc me diz que eu perturbo seus pesadelos? Veja só, o mestre também tem um lado obscuro! Pra falar a verdade, amei a crônica, o encontro da paz na morte. Pra alguns mortais, esse parece ser o único caminho. O conforto derradeiro...
Zoraya Cesar disse…
ESPETÁCULO. e mais nao digo, pra nao estragar o momento.

Postagens mais visitadas deste blog

O VELHO CANTOR >> Sergio Geia

MELANCOLIA >> whisner fraga

FEIJOADA NO SIMEÃO >> Sergio Geia