MUITO LONGE DO MUNDO VIRTUAL >> Clara Braga

Eu devo mesmo estar ficando velha. Outro dia, comentei com uma amiga que eu estava pesquisando sobre algum produto. Nem lembro o que era, mas ela me disse que talvez fosse legal eu abrir uma caixinha no Instagram e pedir indicação para as pessoas da minha rede.

Nunca fiz isso, mas cogitei, talvez fosse mais prático mesmo pegar a opinião de pessoas mais próximas do que avaliações aleatórias em um google da vida.

Coincidentemente, no mesmo dia, quando abri meu Instagram, apareceu pra mim os stories de uma mulher que eu sigo. Ela explicava por A mais B que estava precisando comprar uma esteira para caminhar/correr em casa. Achei curioso que ela foi muito específica, disse que sabia que era melhor alugar do que comprar, mas que na região dela ninguém alugava, também sabia que era melhor caminhar na rua, mas como alguns dias os filhos ficavam em casa do dia todo, ela só conseguiria fazer na esteira. Ela ainda explicou que sabia que tinham outros exercícios possível de serem feitos em casa sem que ela precisasse ter o custo da esteira, ela inclusive já fazia dança e funcional, mas que estava precisando de mais um exercício aeróbico, por indicação de um profissional.

Logo depois dessa longa explicação, começaram a chegar as respostas. Para a minha surpresa, a primeira resposta foi: faça caminhadas ao ar livre, é muito mais saudável e você ainda garante a vitamina D. Ali eu  entendi o motivo dela ter sido tão específica na explicação, ela sabia como funcionava esse esquema de usar o insta como ferramenta de pesquisa. A mulher, que já havia explicado a necessidade de uma esteira, explicou novamente na maior paciência, ainda assim, vi que chegaram mais umas três respostas como essa. Tiveram também os que disseram que alugar era mais barato, embora ela também já tivesse explicado que na região dela não era possível e, pasmem, tiveram os que disseram para ela procurar um outro exercício que não fosse necessário o custo de um aparelho.

Os que não estavam dando pitacos errados sem entender a necessidade da mulher, estavam fazendo chacota: está precisando de cabide em casa?

Do tempo que eu tive paciência de acompanhar a saga da esteira, parecia que uma a cada dez pessoas de fato estavam tentando contribuir, o resto só queria causar.

Foi então que percebi que o Instagram transformou o mundo em uma grande turma de ensino médio, todos os alunos perguntam o que é para fazer na questão 1 antes de lerem o enunciado. Nessa encarnação eu não tenho coragem de abrir caixinha para pedir indicação de nada, podem me chamar de antiquada, velha ou o que for, mas gente dando pitaco aleatório já bastam as do mundo real. E já que eu estou aqui pagando de tia velha, aproveito para pedir encarecidamente que não me mandem áudios com mais de 2 minutos, vamos evitar transformar o WhatsApp em uma plataforma de podcast, por favor.

Pela sua atenção, obrigada!

Comentários

Bem-vinda à velhice tecnológica, Clara. Eu me sinto um dinossauro:ainda prefiro o e-mail. :)
whisner fraga disse…
Clara, somos cringe...
Zoraya Cesar disse…
Cringe total aqui se apresentando!
Albir disse…
Em algumas décadas, se eu aprender muito, vou ser cringe. Seja lá o que cringe for.

Postagens mais visitadas deste blog

O VELHO CANTOR >> Sergio Geia

MELANCOLIA >> whisner fraga

FEIJOADA NO SIMEÃO >> Sergio Geia