O MUNDO AO CONTRÁRIO?

 


Estou de volta depois de um período de recuperação de energias, embora sem mar. Ah, como preciso de mar para me recuperar de verdade! Meus banhos foram derretidos pela pandemia. 
 
Manhã ensolarada neste janeiro de 21. Sobre a minha mesa o segundo copo de água alcalina; preciso de pelo menos seis. Depois, mais tarde, vou pra sacada à cata de sol; preciso de pelo menos dez minutos. Foi o que disse o médico outro dia: é bom para a imunidade. Em tempos de coronavírus, tudo o que é bom para a imunidade me interessa. Beber muita água, tomar sol diariamente entre 10h e 16h por 10 minutos, fazer atividade física, alimentação equilibrada, deitar os pés descalços na terra ou na grama, respirar fundo. Como acredito em tudo isso, eu tento incorporar. 
 
O ano começou com a triste notícia da morte do padre Ticão, uma referência na Zona Leste de São Paulo pelos seus trabalhos sociais. Uma de suas principais bandeiras era a luta pela legalização do uso da cannabis para fins medicinais. Rola muita hipocrisia nessa história. Você já parou pra pensar que a cannabis é uma planta? Sim, uma planta. É tão planta quanto o agrião, a alfazema, o capim-limão, o coentro, o guaco, o jaborandi, o boldo, a camomila, a carqueja, o guaraná, o tamarindo, a erva-cidreira, a erva-doce. Então por que tanta confusão? 
 
Já existem mais de 600 estudos científicos comprovando seus fins medicinais. Pessoas que sofrem de epilepsia, Parkinson, ansiedade, dores crônicas, autismo poderiam se beneficiar de seus atributos curativos. A ONU retirou da lista de drogas a cannabis, reconhecendo o seu caráter medicinal. Países como Argentina, Uruguai (que legalizou também o uso recreativo), Chile, Colômbia, Canadá, Holanda, Espanha, Itália, Portugal, Alemanha, dentre outros, já permitem inclusive o plantio para fins medicinais. Por que não tratar esse tema com seriedade e sem preconceitos, e abrir de uma vez a porteira? 
 
Por falar em Argentina, nossos hermanos legalizaram o aborto. Muita gente replica postagens sobre o tema com os cabelos em pé diante da notícia. Sou contra o aborto e ponto. Mas sou a favor da mulher decidir se quer ou não fazer. Milhares de mulheres, legalizado ou não o aborto, abortam. As mais pobres procuram clínicas clandestinas e morrem. 
 
Sâmia Bomfim, a deputada que está grávida e escolheu ter seu filho, disse: “Defender a legalização do aborto é querer que as mulheres possam ter direito a escolher, como eu tive. É ter o direito de seguir viva: as pobres e negras morrem, enquanto as brancas ricas conseguem escolher com segurança. É olhar os dados: 1 a cada 5 já abortaram no Brasil. É defender educação sexual, acesso a contraceptivos e planejamento reprodutivo. É saber que o Estado é laico. Que ter filhos demanda condições emocionais e materiais. Que a maternidade pode ser bela quando não é compulsória. Que o corpo é meu”. 
 
Que os ares progressistas do país vizinho aportem por aqui. 
 
Tudo bem, começamos o ano pesado. Mas, sinceramente, há determinados temas que não podem ser empurrados pra debaixo do tapete. Vejam o que aconteceu com a Loreny, por exemplo, em Taubaté (é Lorêni, okay?, e não Lorení). Pessoas que sequer a conheciam e poderiam conhecê-la, afinal, ela foi vereadora nos últimos 4 anos e não caiu de paraquedas na eleição, chamaram-na de louca, de comunista, de petista e um montão de bobagens. Sem contar que muitos não votaram nela por puro preconceito, por ser mulher, jovem, inteligente, e dançar funk. Vejam o preconceito, as insinuações, as piadinhas, o assédio que tem de suportar a Isa Penna na Assembleia Legislativa de Sampa. Até quando? Já está na hora desse provincianismo obtuso sumir do roteiro. 
 
Bom, apesar de tudo, seguimos. Ótimo 2021, com muita luz, harmonia, amor, respeito e vacina. Sim, porque vacina é bom, e tortura é abominável. Será que o mundo está ao contrário e ninguém reparou? 
 
 

Comentários

Sandra Modesto disse…
A crônica mexeu muito comigo. Canabis é uma planta medicinal. Tenho epilepsia e sei da importância. A pauta sobre a luta de abortar precisa ser entendida como o direito da vida das mulheres. Sobretudo, para que as mulheres pobres não morram. Estamos numa pandemia e dividindo tristezas, também perdi algumas amigas professoras. Chorei muito. Só a vacina pra nos salvar. Aguardemos. Que venha o impeachment!
Nadia Coldebella disse…
Bem vindo de volta! Estava fazendo falta! Sua cronica chegou muito sensata num ano q começou bem preocupante. Eu pessoalmente acho q estamos no olho do furacão e qqr calmaria será apenas aparente. Pra sair dele teremos q enfrentar muitos ventos. Sobre a cannabis concordo plenamente, porque tenho uma filha q tem autismo e epilepsia e sei o desespero não se encontrar recursos de tratamento. Mas é aquela história: só consegue me julgar quem calça meus sapatos e faz o meu caminho. No entanto, a maioria das pessoas julga apenas o sapato, sem calca-los. Espero muito suas cronicas corajosas e iluminadas nesse ano, e q venham proficuas. Grande abraço.
Marcos Minicucci disse…
Otima cronica meu amigo! Com certeza 2021 sera uma no melhor. Esperança e fé é a chave!!!!
Fran disse…
Bravo!
Cristiana Moura disse…
Vem tomar banho de mar pelas terras de cá!
Darci Siqueira disse…
Excelente retorno Geia. Eu dividindo opiniões com colegas de trabalho votei na minha ex vizinha, diferente de muitos; exatamente por ser mulher ou mais do que isso, uma mulher extremamente inteligente, uma doutora em política. Mas não fui o único, alguns amigos me acompanharam, concordo e vamos em frente. Grande abraço.
sergio geia disse…
Sandra - eu penso igual a você; grato.

Nádia - são temas que precisam ser debatidos; que se quebrem os tabus; obrigado.

Marquinhos - valeu, amigo!

Fran - grato, Fran por sempre estar aqui.

Cris - que venham os banhos de mar; brigadoooo!

Darci - também votei. Pra mim disparada a melhor. Abraço!

Agradeço a todos que estiveram aqui, mesmo que não comentando. Obrigado pelo carinho da recepção.
Zoraya Cesar disse…
Sergio, que saudades! E vc reestreia com escancaro e abuso. O prosador das pequenas coisas jogando, de maneira grandiosa, as verdades do nosso pequeno cotidiano no qual vivemos sem reparar. Que bom que voltou!
Gostei muita da leitura e me identifiquei com sua crônica em vários momentos... também preciso de mar pra me renovar, e meus banhos de mar também foram derretidos pela pandemia... E, percebendo que os nervos estão precisando de uma ajuda nesses tempos difíceis, semana passada entrei numa loja e comprei cannabis medicinal (aqui na França a cannabis sem THC, chamada CBD, é legalizada). E concordo plenamente com sua reflexão sobre o aborto. Faz sempre bem pra alma ler um pouco de lucidez!
sergio geia disse…

Zoraya, querida, grato pelas palavras gentis. Gostei do escancaro e abuso rsrs.

Alfonsina, bom saber que pensamos parecido. São tempos difíceis, mas logo tudo isso passa e a gente se ajeita. Abração!
Albir disse…
Sérgio, você abordou temas inadiáveis neste início de ano dramático e mergulhado em fundamentalismo.
Paulo Barguil disse…
Considerando a qualidade do texto, Sérgio, a prescrição médica, que você seguiu, lhe fez muito bem.
sergio geia disse…

Albir e Paulo: grato, amigos.

Postagens mais visitadas deste blog

LUGARES ONDE NUNCA ESTIVE >> Carla Dias >>

Conceição >> Alfonsina Salomão

Vizinha Fake News >>> NÁDIA COLDEBELLA