Pular para o conteúdo principal

VOLUNTÁRIOS DA PÁTRIA >> Albir José Inácio da Silva


Sempre que se ergue da justiça a clava forte, não faltam voluntários dispostos ao sacrifício e à glória em nome da pátria. Principalmente quando se trata de lutar contra tiranos, comunistas e demônios que frequentemente habitam a mesma pessoa. Somos fanáticos por democracia, justiça social e pelo Estado Democrático de Direito.

Quando historiadores vermelhos insistem em apontar um tempo maior de ditadura que de normalidade democrática na nossa jovem e acidentada República, fica evidente o partidarismo, já que chamam de ditadura justamente os períodos em que erguemos a clava forte para combater o mal e defender a liberdade. É exemplo disso o AI-5, remédio amargo e necessário para eliminar do país os comedores de criancinhas.

Mas esse sentimento de patriotismo e brasilidade é anterior à República. O nome “Voluntários da Pátria”, presente em ruas de quase todas as capitais brasileiras, é homenagem aos heróis que lutaram e morreram na sangrenta guerra do Paraguai.

Quase metade dos voluntários perderam a vida, foram feridos ou ficaram inválidos. Mas foi por uma causa nobre: combater a ditadura de Solano Lopez. Os combatentes brasileiros eram, em grande parte, mendigos, escravos foragidos – a quem se prometeu alforria ao final da guerra, e escravos que foram alistados pelos seus senhores – a quem foi permitido enviar escravos em seus lugares. O próprio Imperador Pedro II libertou os escravos das fazendas imperiais, desde que fossem à guerra.

Os que regressaram estavam livres, doentes, aleijados, desempregados e foram morar nos morros dando início à favelização. Mas foram heróis ou não seriam nome de rua.

O Paraguai acabou. Aquele bando de índios descalços, famintos e provavelmente comunistas foi exterminado a tal ponto que a poligamia foi admitida e estimulada para repovoar a região.

Na segunda guerra mundial, os voluntários mais uma vez atenderam à convocação da pátria. Dessa vez para combater Belzebu incorporado em Hitler e suas hostes. Verdade que a princípio não havia muita certeza quanto à malignidade de Hitler. O Brasil tinha lá seus namoros comerciais e ideológicos com o Reich, a ponto de entregar Olga Benário para morrer na câmara de gás.

Mas a dúvida ficou resolvida com a pressão do Tio Sam e o afundamento de dezenas de navios brasileiros por submarinos de bandeira alemã. Fofoqueiros de plantão, que sempre os há, juram ter ouvido o idioma inglês nesses submarinos. Provavelmente confusão do observador, já que inglês e alemão são línguas germânicas.

Mas voltemos ao tema. Convocados por Vargas, o pai dos pobres, mais uma vez os pobres não refugaram. O que não impediu que metade dos que se apresentaram tenha sido reprovada pelo exame de saúde.

Dessa vez a promessa não era de alforria, mas de alguma vantagem como trabalho, seguro social, facilidade para aquisição da casa própria, assistência médica, honra, glória e o nome inscrito na História do país.

Nossos heróis chegaram à Itália com treinamento para canhões da primeira guerra e roupas de brim. Os americanos ensinaram a usar canhões de segunda guerra e nos deram roupas para o inverno de menos vinte, sem o que teríamos perecido antes de levar um tiro. Mas guerra com equipamentos é para amadores. Heróis marcham pela fé.

Embora recebidos com festa ao final da guerra, a sina desses combatentes não foi muito diferente dos seus colegas do século anterior. Com medo da popularidade dos pracinhas, as autoridades os mantiveram em silêncio porque tinham medo que se transformassem em força política. Os heróis foram devolvidos ao mercado de trabalho, apesar de suas limitações, e entregues à sua própria sorte, mesmo com os traumas decorrentes dos combates. Mas ganharam monumentos espalhados pelo país.

Agora, neste início de século XXI, embora nenhuma convocação oficial tenha ainda emanado das autoridades constituídas, alguns patriotas já farejam o cheiro de enxofre vindo do norte, num claro indício de que Satanás, desta vez manifestado em Maduro, pretende espalhar a URSAL pelo continente.

Estes bravos se oferecem pelas redes sociais porque já não lhes cabe no peito o patriotismo. Não dormem tranquilos enquanto não salvarem o povo venezuelano. Nem que para isso tenham de massacrar um bando de índios famintos, descalços e marxistas, como costuma fazer o Tio Sam em terra que tem petróleo.

Desta vez o chamado veio em forma de revelação só alcançada pelos corações contritos. Não há promessas de vantagens ou prêmios pela coragem. O que os move é tão somente o sentimento genuíno de amor à justiça e à democracia – sempre tão ameaçadas pelas hostes comunistas, bolivarianas e demoníacas.

Vivas à pátria! E a bênção, Tio Sam!

Comentários

Zoraya Cesar disse…
Saudades, Albir! que bom q voltou!

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …