Pular para o conteúdo principal

NOTAS SEM TÍTULO >> Fred Fogaça

Dia desses eu fui jantar e tinha coração numa panela. Corações, né. Tinha muito coração. Me lembrei: sabe quantas galinhas morreram pra você poder comer isso aí?, ela olhava pro prato e fazia cinco com a mão, cara de quem não se arrepende e ainda por cima sorria. Depois que eu descobri que o da panela nem coração era, mas já valeu a lembrança. Quase um vacilo. Igual outro dia, zanzando pela cidade de carro vi um acidente na avenida, desviei, olhei o coitado e cantei Chico Buarque. Aquela música lá. Tudo bem que não lembrava direito a letra mas a pessoa comigo também não entendeu a referência. Não conhecia muito da música popular brasileira e de repente nem gostava até. Fiquei tanto um pouco envergonhado quanto um pouco saudoso. Dói uma piada mal empenhada, mas é que ela teria entendido.

Teve um outro dia, conversando sobre ter casas, decorar casas, comprar casas... disse que queria passar um tempo em alguma nas montanhas, me hospedar ou mesmo morar um período - um clássico - e me olharam com estranheza. Pareceu como se aquilo não fosse nada que coubesse no assunto àquela hora e inclusive ninguém quisesse. Quis ter alguém pra concordar comigo. Puta ideia boa, não tinha necessidade de aprovação alheia, mas é uma cruzada inglória sustentar uma opinião solitária. As vezes eu não queria não. Talvez eu entenda essa opinião também, esses lugares não têm internet e hoje em dia não se conhece mais o torrent.

Quando eu penso nessas casas, não deixo de considerar a distância segura pra civilização, e toda aquela tranquilidade profunda. Praticamente uma loucura. Similar ao sentimento daquelas telas do Vincent, de quando ele se mudou pro sul da França e pintou paisagens felizes. Quase felizes, na verdade. Ele se esforçou bastante, né. Dá pra ter ideia do clima. Alguém provavelmente já pintou alguma melhor que representasse, mas andava lendo sua biografia e me compadeci, ele devia saber bem sobre a imprudência da serenidade.

Teve a velhinha do ônibus. Simpática a ponto de, entre a Barra da Lagoa e a Lagoa da Conceição,  me oferecer um serviço de lavagem de roupas, companhia e café. Me disse da casa, deu um endereço, e falou dos vizinhos. Eu tinha todas as referencias. Não tinha certeza de que algum dia iria voltar, não pra morar, mas anotei tudo e tirei uma foto pra guardar. Pra me lembrar, se eu demorasse. Estava perdido e não podia estabelecer certezas, como ainda devo estar agora. Também o luxo das convicções, sigo evitando. Mas ainda devo visita-la, eu prometi.

Ainda sobre ônibus, teve outro velhinho. Enquanto eu e um amigo esperávamos pelo próximo, ele destilou histórias picantes entremeadas de juras de amor pela falecida esposa. Que Deus a tenha, ele repetia sem exceção, quando a citava. Tinham também mais algumas cartas, sem final, nem destinatários mas que, de modo geral, eram súplicas inocentes e vergonhas que (graças a seja ao que tenha sido responsável) evitei de passar. Merecem a recordação. Ainda muitos resquícios de textos que não fiz. 

Enfim.

Perscrutando essas anotações entre o receio da nova empreitada e o de não ter o que escrever, acabei retornando aos lugares comuns da minha atenção, e quando revisitei as fundações dos meus textos, percebi uma desordem. Pode até ser que se ofusquem as perspectivas, mas só muito a princípio. O embaralhamento das ideias não amedronta: ao contrário: descanso a coragem, são sinais do bom augúrio.

Comentários

Carla Dias disse…
Eu em senti dando uma volta nas suas perspectivas. :) Gostei muito... Foi uma ótima viagem.
Fred Fogaça disse…
Muito obrigado pelas palavras, Carla! Viagens são sempre enriquecedoras, né?
branco disse…
várias situações. beleza única !
Zoraya Cesar disse…
Uau, que delícia! Mais um lírico pra contrabalançar o meu cinismo Que texto lindo, Fred. Melancólico e absolutamente verdadeiro. Me identifiquei a cada linha. A música era Construção, né? Muito bem-vindo, seu texto me encheu de uma alegria triste maravilhosa. Obrigada!

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …