Pular para o conteúdo principal

A MENTIRA >> Whisner Fraga

Os dedos da criança peregrinam pelo dorso da maçaneta.

As máquinas estão sob controle e não espalham ameaças pela tarde imponderada.

O pai observa a curiosidade mística da filha, próxima ao mecanismo desacordado. Engrenagens sonolentas também espreitam mãos que brincam. E logo o trinco ferroa a carne e um veio de sangue se infiltra na solidez precária da segurança.

O pai acode o desespero da filha, mas não está preparado para a investida da dor contra a idade vulnerável. Por enquanto não percebe que estamos expostos e estaremos para sempre apenas nos desviando da fatalidade.

Ela só desejava a suavidade do banco veludoso massageando as costas e a porta do carro a apartava dessa ganância.

O pai recolhe o corte em uma calma premeditada e aloja a ferida na barra da camisa, tentando estancar o medo.

O dia resiste em sua alegria desafeiçoada. Por que não se atormentam mais com a angústia de outra pessoa? Por que ninguém se acerca, se compadece, oferece uma fatia de humanidade?

Por que um disparo casual em uma tela de cinquenta polegadas é apenas uma morte que encontra a cabeça de um inocente e é esquecida até o próximo jornal?

Por que todos se aproveitaram da caridade de um Deus fictício?

A menina acha bonito o rosa infectando o tecido azul, enquanto pressente que uma revelação se desvencilha da mentira e avança, metodicamente, como uma gota de tinta rastejando pela água em um copo e descobre que dali a pouco não será mais tinta nem se tornará água.

Dali a pouco o pó tomará conta de nós e nos substituirá e não seremos nem vida nem morte.

A menina percebe tudo.

Comentários

Zoraya Cesar disse…
Putz, Whisner, que texto FANTÁSTICO! Sem palavras.

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …