TEXTURA >> Carla Dias

Imagem kirillslov por Pixabay

Sente falta do barulho do arrastar chinelos sobre tacos desbotados. De escutá-los roçando o tempo derramado naquele chão da casa, trazendo lembranças dos aniversários, casamentos, celebrações que aconteceram ali. E também dos lamentos, quase sempre patrocinados por mortes repentinas, como a do Border Collie do vizinho. 

Nunca o chamou pelo nome, nem mesmo depois de ele invadir seu quintal e decidir voltar todos os dias, sempre no fim da tarde. O vizinho acabou desistindo de tentar mantê-lo no próprio quintal. Firmou-se assim, sem vocábulos que endossassem o trato, a guarda compartilhada.

Nunca o chamou pelo nome, nem mesmo depois de se tornarem íntimos, e ele passar horas em sua companhia, e, vez ou outra, aproximar-se com a gentileza estampada no olhar, amansando tudo dentro dele: temores, mágoas, faltas. Nem mesmo quando o Border Collie não estava mais lá e o homem desejou gritar por seu nome, até que ele voltasse.  

Há algum tempo, os sons o abandonaram e ele passou a hospedar um espírito desenganado. Toca as paredes em busca de amparo para evitar tombos. Às vezes, é tomado pela ideia de que elas não lhe pertencem, são mãos emprestadas. A textura da pele, prova concreta da passagem do tempo, que desaponta aquele que acredita que jamais envelhecerá.

Evitar tombos é tarefa cotidiana. Não quer se render a eles e se tornar quem não sabe juntar os próprios cacos. Acontece de se agoniar imaginando como seria chegar a esse lugar de impotência determinada a dominar sua existência.

Os sons o abandonaram, por isso aprecia tocar as janelas e sentir a vibração do que lá fora é vivo, arrebatador. Não sabe mais decifrar esses gritos. Seriam de dor ou prazer? Medo ou deslumbramento? Pensava que teria tempo para o que agora amarga não ter feito, sentido, experimentado: lugares inéditos à sua presença, pessoas capazes de lhe provocar intensidade e espontaneidades, aprendizados que o tornassem mais consciente de tudo, de outros, de si. 

Pergunta-se, recuando diante da pronúncia das palavras: quantos tempos o tempo de uma pessoa tem?  Porque o tempo que ele vive agora não parece justo, apenas longo.

Escandaliza-se com legendas: carro ultrapassa em alta velocidade, bate em mureta e se afoga no mar azul. Preço do descafeinado triplica, seguindo as normas da numerologia. Uma tarde no shopping pode levar à falência se você aparecer lá no dia em que recebeu seu salário. Disputa acirrada pela última vaga no ônibus espacial: há sempre alguém querendo pagar mais.

O silêncio o acorda com seu hálito de novidade, então o acompanha, sem alterações ou rompantes, até que ele se pegue novamente de olhar vidrado na pele que parece papel amassado, de se rasgar mediante um leve atrito com a quina da pia, quando a sede exige que ele se levante para matá-la. 

Suas pálpebras obedecem ao peso da necessidade.  Fecham-se, não importa se o seu desejo seja o de permanecer desperto, observador, curioso. 

E se eu me perder de não saber voltar? Quem me ressuscitará na sua memória?

Então, o silêncio o coloca para dormir. E antes de cair nos braços da noite, ele canta uma velha canção que já não escuta mais.

Desperta.


Imagem © kirillslov por Pixabay

carladias.com

 

Comentários

Sandra Modesto disse…
Que lindo! De arrepiar.
Carla Dias disse…
Obrigada, Sandra. :)
Albir disse…
Dolorido e lindo!
Zoraya Cesar disse…
ponte que partiu, Carla!!! Esse é daqueles insuperáveis! Quantas leituras cabem aqui, tipo O Pequeno Príncipe, q lemos de um jeito ou de outro dependendo da nossa idade, do nosso momento, de tudo. Mas, terror, poético, triste, realista, tudo o q possa ser esse texto uma coisa só o define: magnífico.

Postagens mais visitadas deste blog

A FELICIDADE >> Sergio Geia

EM SÃO BENTO >> Sergio Geia

ENCONTRARAM-SE - Albir José Inácio da Silva