Pular para o conteúdo principal

AO MESTRE, COM CARINHO >> Clara Braga

Outro dia ouvi uns alunos conversando sobre professores que foram marcantes para eles. Achei curioso e triste perceber que a maioria dos relatos não eram de professores que haviam deixado uma boa lembrança, a grande maioria falava de situações chatas que envolviam aquele professor e, por isso, não esqueciam a pessoa.

Um caso em particular me chamou mais a atenção, um aluno disse que um dia a professora perdeu a paciência com ele e avisou que não se importaria mais com ele já que ele não prestava nem para ser gari!

Não vou nem comentar essa frase, pela quantidade de preconceitos e desrespeitos que ela carrega, mas fiquei triste após refletir e concluir que realmente estamos constantemente nos deixando ser mais influenciados por momentos e sentimentos ruins, mesmo quando eles acontecem em menor quantidade do que os momentos bons!

Comecei a pensar nos meus professores e, adivinhem, o primeiro que me veio a mente foi um professor de matemática que me chamou até o quadro para resolver um problema e, quando eu não consegui, me pediu para sentar e fez comentários um tanto agressivos e constrangedores na frente da turma toda.

Mas eu não poderia deixar que todos os meus anos na escola estudando matemática fossem resumidos a uma experiência horrível com um professor que não tinha didática alguma. Me esforcei para lembrar dos outros professores de matemática que tive e, embora vários tenham sido legais, lembrei de um que na época realmente fez a diferença na minha vida.

Esse professor me deu aula no cursinho preparatório para o vestibular. O curso começava de manhã bem cedo e as amigas com quem eu andava chegavam sempre com os cabelos ainda um pouco molhados, com aquele ar de que tinham acabado de sair do banho. Vira e mexe o banho de manhã cedo virava assunto nas rodas de conversa, e todas afirmavam que não conseguiam começar o dia sem um bom banho logo cedo. Quando elas falavam parecia até um ritual para passar no vestibular, se você quer ir bem nas provas precisa acordar e já tomar logo um bom banho. Eu ouvia calada, até meio envergonhada, mas confesso que nunca trocaria uns minutos a mais de sono por um banho logo cedo. Sempre gostei de tomar banho para dormir, aquele momento para desligar, deixar o peso do dia ir embora e deitar relaxada, mas para acordar o banho soa mais como tortura.

Nunca contei isso para as minhas amigas, ficava com vergonha delas acharem que eu era a suja do grupo. Mas um dia, um belo dia pela manhã, uma aluna chegou atrasada na aula de matemática com os cabelos ainda molhados. O professor não perdeu tempo, foi logo fazendo piadas com a menina, dessas bem características de professor de cursinho. E foi nesse momento que ele aproveitou para fazer um desabafo: gente, não entendo essas pessoas que tomam banho de manhã cedo. Acho horrível, nunca na minha vida vou acordar mais cedo para sair do quentinho da minha cama para passar frio no chuveiro. Banho bom é banho para dormir, mas para acordar só café mesmo!

Esse professor não tem ideia do quão libertador foi para mim ouvir alguém dizer aquilo. Fiquei tão feliz que passei até a gostar um pouco mais da matéria dele. Se eu lembro o que ele estava ensinando? De jeito nenhum, não tenho a menor ideia, mas o que importa é que desde esse dia eu passei a ter coragem de falar para quem quisesse ouvir: EU ODEIO TOMAR BANHO DE MANHÃ CEDO!

Ufa, falei!



Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …