Pular para o conteúdo principal

HÁ TRINTA DIAS ME BATEU UMA COISA DOWN >> Sergio Geia


Assim do nada, como surgem dores e resfriados (doenças também), há trinta dias me bateu uma coisa down. Senti algo ruim no peito, um vazio, que virou desânimo e, típico movimento reverso, vontade de mergulhar numa piscina de nada, e eu fiquei assim. Como a vida não pode parar em razão de nossos vazios e desânimos, segui em frente. Calhou de no meio dessa coisa estranha, sai de casa um dia pra andar e buscar inspiração a fim de escrever algo sobre a primavera que batia à porta.

 É claro que o resultado foi zero de inspiração. Não achei coisa alguma que me remetesse à primavera. Talvez, minha vibe sendo outra, achasse.

Decidido assim mesmo a escrever sobre a primavera, como um teimoso convicto, cheguei em casa, sentei na frente do computador e escrevi. Obviamente, uma crônica baixo-astral, reflexo do baixo-astral de seu criador, que foi publicada neste espaço em 22 de setembro de 2018.

O pior dessa coisa estranha é que o universo baixo-astral do escritor criou um texto baixo-astral. Em seguida, esse mesmo texto baixo-astral, como um bumerangue, voltou ao escritor em forma de mais baixo-astral. Ainda mais que o primeiro dia da primavera foi lindíssimo, desmentindo o cronista, ensolarado, céu azulíssimo, flores se abrindo talvez, se o mau humor não o cegasse (veja, por exemplo, o comentário do amigo Dimas sobre a crônica: “Então eu sou um privilegiado e não me dei conta, porque aqui em casa estão brotando florzinhas no pé de abóbora, no pé de romã, nas laranjeiras que plantamos há pouco tempo, e até nos trevinhos da grama.”). Fiquei mal.

Então, mergulhado num baixo-astral horrendo, céu nublado e com trovoadas, comecei a ler e a responder os comentários de vocês no facebook, coisa que gosto de fazer. Senti que o céu começou a clarear.

A começar pela querida Marialice (para mim, assim mesmo, “Marialice”, tudo junto e misturado, como sempre a chamei lá na infância, na Rua Barão): “Acho que temos dentro de nós dias de inverno e dias de primavera...rsrs. Mas ela chegou pra colorir e florescer nosso coração”. Pensei: que coisa linda, Marialice. E pensei também: nada mais facebookiano que viver sempre na primavera. Pois na vida não há invernos?

Depois, o amigo Érito, mostrando um jeito quântico de ser: “Quando me pego olhando pela ótica de sua crônica, lembro que eu decido como enxergar o mundo e então lembro de amigos como você, lembro que a física quântica me mostra que as vibrações para o universo sou eu quem escolho. E assim vejo uma primavera que se inicia e tenho dezenas de coisas para agradecer e uma delas é a sua amizade e seu talento que mesmo distante nós faz estar próximos. Gratidão, gratidão e gratidão!!”

E tantos outros, como a Marlene: “Que venha a primavera quando ninguém mais espera”; a Sandra: “Eu também fico apreciando as árvores de ipê da JK que estão lindas!!!”; a Cidinha: “Que tenhamos mais amor florindo nesta primavera”; a Karina: “Geia, você precisa de flores em sua vida!”; o Téo: “Beleza, Serginho, mas como fala a música que você postou, a primavera vem quando menos se espera e ela tá chegando, meu amigo!”; a Toninha: “A primavera é maravilhosa”; a Regina: “Feliz você, primo, que com todo esse papo sobre eleição e melhor candidato, consegue nos presentear com essa crônica sobre a primavera e mencionando ainda Beto Guedes, que adoro!!”; o Paulo Amaral: “Sergio, primavera é o renascer”; a Vanessa: “A primavera é inspiradora, primo”; a Adriana: “É engraçado, sempre que escuto alguma música da primavera vem o Tim Maia com a primavera e o amor. Enfim, eu adoro olhar nessas épocas as árvores com suas lindas flores coloridas de todos os jeitos; primavera é cor, é alegria, é paixão”, e a Ademara, o Paulo Castilho, o Paulo Pereira, a Marlene, a Regina, a Ana Favali, a Cristiane Amarante, o João Vasco, o Darci, a Luciana, a Neusa Santos e tantos, tantos outros que com uma simples palavra, encheram meu dia de primavera.

De mal, comecei a ficar bem, mais leve e agradecido. Até tomei uma taça de vinho, desisti de “Mar adentro”, filme tristíssimo, mergulhei em “Mamma Mia”, o primeiro, de 2008.


P.S.: Sabe, até deu vontade de sair pulando com a Meryl Streep, em Dancing Queen? Coisa louca. Ah, e obrigado, meus queridos, pelas palavras de carinho após aquele acidente na Dutra e que foi o tema da crônica “Eu estou bem”. Foram tantas as mensagens que a vida ficou mais leve.

Comentários

Brasilino Neto disse…
Amigo Sérgio, suas crônicas, por seu primor como escritor, quais sejam os temas, mesmo tratem os dificultosos embates do dia a dia, se tornam leves. Leio sempre e delas tiro proveitos para viver alegremente! Brasilino
sergio geia disse…
Brasilino, amigo, que alegria. É bom saber que meus escritos produzem esse efeito. Abração!

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …