Pular para o conteúdo principal

O BAR DO FIM DO MUNDO >> Zoraya Cesar

A ESPELUNCA - O bar ficava escondido no meio de um matagal, e seu acesso era difícil, invisível a quem passasse na estrada. Distava muitos quilômetros da cidade mais próxima e não era um local bem afamado. Sexo, jogatina, bebida, algumas drogas, negócios escusos, diziam, eram tolerados, desde que não houvesse baderna – o dono do bar, que nunca fora visto por vivalma, mas que era temido exatamente por isso, se é que me entendem – não gostava que estragassem a mobília de plástico, o balcão de madeira carcomido, suas caixas de som Yamaha CIS. Em caso de contendas ou desavenças, a turma do deixa-disso e a turma do que-se-dane davam um jeito. Diziam também que, de vez em quando, gente desaparecia por lá, gente sem importância, que ninguém se preocupava muito em procurar. Boatos, claro, o mundo anda cheio de fake news. E isso só aumentava a aura mítica do bar. 

Essa fama – e também a comida razoável, a bebida barata e o som dançante - atraía não só o pessoal do submundo, mas também gente comum, simples, até - caminhoneiros, comerciárias, motoristas, um ou outro roceiro mais abastado. E também pessoas de extratos sociais mais elevados. Tinha de tudo. Todos querendo um pouco de diversão, um pouco de sexo, um pouco de perigo. (Quem não dá valor à própria vida gosta de arriscá-la.) Qualquer um era bem-vindo, desde que por sua conta e risco, como deixava claro o aviso acima da porta: 

Cuida da tua vida que aqui ninguém vai cuidar.
O que acontece aqui fica por aqui. 

O ANASTÁCIO* - Rinaldo entrou, confiante, as botas lustrosas, a fivela do cinto brilhando, camisa justa o suficiente para mostrar quão musculoso era, calça apertada o bastante para delinear a bunda redonda (que ele cria ser igual à do Mel Gibson). Passara quase um ano procurando por aquele bar, até que, do nada, um motorista de caminhão lhe dera a dica. 

Ansioso por provar aos amigos que era um cara descolado e destemido, Rinaldo foi, sem pensar duas vezes, sem avisar ninguém (vai que não o deixassem entrar, ou não encontrasse o lugar, ou tudo não passasse de embromação. Seria humilhação demais, melhor contar depois). 

Procurava, os olhos ávidos, o pau faminto, por uma mulher disposta a passar alguns momentos com ele. Uma conversa de cerca-lourenço, uma bebida, uma dança, uns chamegos e depois um vamos-ver no final da noite. Se ela fosse bandida, procurada pela polícia, melhor - teria uma história ainda mais excitante para contar. A uma mulher comum ele tinha acesso na vida diária. Queria algo diferente, emocionante. Desfilou o corpo pra lá e pra cá, naqueles passos de pavão em época de acasalamento. Sentou-se, finalmente, bebendo uma cerveja, impressionando com o ambiente, feliz consigo mesmo: sentia-se um verdadeiro outsider

Passou os olhos por seus colegas de bar. Os que não estavam dançando espalhavam-se pelas mesas, jogando, conversando, fumando, e, alguns, namorando. Gente normal, pensou. Um ou outro tinha cara de procurado vivo - ou, de preferência, morto -, mas eram exceções.

A noite aprofundou-se, densa e irascível, às duas da manhã, soprando ventos gelados, ameaçando temporal. Quem estava fora, entrou. O bar ficou mais cheio, naturalmente; o ar, mais abafado; o burburinho, quase ensurdecedor. O forró foi trocado por uma espécie de sertanejo ensino-médio, tocado em altos decibéis. Rinaldo estava cansado. Eles devem tomar estimulante na veia, para estarem tão animados até agora. Cansado e decepcionado. Não se divertira, não vira “nada de mais”, de pitoresco ou perigoso que justificasse a fama do lugar e, pior, não conseguira ficar com ninguém. Tomara cinco cervejas, estava meio tonto. Preparava-se para ir embora, quando uma mulher sentou-se à sua frente. 

ENCONTROS E DESPEDIDAS - Não era, exatamente, bonita, nem, olhando mais de perto, muito jovem. Nada em sua aparência era destinado a seduzir: os traços eram irregulares; os cabelos, curtos; vestia-se com sobriedade, toda de preto, sem decotes ou pernas de fora. Era muito magra e muito pálida. Mas emitia um sex-appeal inexplicável e irresistível. 

Ela começou a conversar, a voz melíflua e cantante, mesmo por cima da algazarra. Rinaldo encantou-se. Nunca uma mulher fizera tantas perguntas sobre sua vida, nem tecera comentários tão elogiosos à sua aparência, nem demonstrara tão evidentemente que estava a fim dele. Seu cansaço desaparecera. Dançaram, riram, beijaram-se. “Vamos beber alguma coisa antes de sair”, sussurrou ela em seu ouvido. Rinaldo, obediente como uma ovelha resignada, concordou. Beberam mais duas cervejas – ela acariciando o pau de Rinaldo por debaixo da mesa; ele, em estado de graça. Em estado etílico. Em estado de sono irreprimível. Em estado semi-inconsciente.
A sedução só funciona
quando o ego da vítima
é grande. Ou frágil.


Debruçado na mesa, a boca aberta, dormia o sono dos drogados. Ao discreto sinal de cabeça da mulher, dois homens apareceram (um deles, o caminhoneiro que ensinara a Rinaldo como chegar ali) e carregaram o corpo inerte para fora. Ninguém reparou, e, se tivesse reparado, não teria estranhado – era normal bêbados serem levados pelos amigos; e, também, ali cada um cuidava da sua vida. Essa era a regra. 

Jogaram o corpo numa van e partiram. A mulher acendeu um cigarro. Esse aí vai ser bom. Saudável. Forte. Devem aproveitar todos os órgãos. Mais uns cinco desses e posso me aposentar. Apagou o cigarro, raivosa, com o pé. Preciso largar desse vício desgraçado. E voltou para o bar. Estava com fome. 


*anastácio – gíria para designar otário
http://www.paginalegal.com/2008/02/04/girias-do-submundo-do-crime/

foto: pinterest 



Comentários

Unknown disse…
Este comentário foi removido pelo autor.
Unknown disse…
Como assim?!!? Tabô? Cadê a segunda parte?! O Rinaldo era otário e fim de papo?! Kkkk Coitado... Vão tirar todos os órgãos? Até a bunda do Mel Gibson? Que desperdício rs Po... Fiquei esperando a segunda parte... Acabou muito rapido rs
Anônimo disse…
Pela descrição da mulher fumante, creio que os pulmões de Rinaldo serão de boa valia.
Marcio disse…
Postei sem me identificar! Só para registrar o autor do ignominioso comentário, publico-o mais uma vez:

Pela descrição da mulher fumante, creio que os pulmões de Rinaldo serão de boa valia.
Ana Luzia disse…
Uia!

e não é que dá até um medinho...
Clarisse Amador disse…
Moral da história: cuidado com o que se pede; você pode conseguir...
Moral da história II: quem procura, acha...

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …