A PRIMAVERA >> Sergio Geia



Hoje pensei em escrever sobre ela. Lembra aquela música do Beto Guedes: “Quando entrar setembro, e a boa nova andar nos campos”? Ela me é tão inspiradora, ainda que setembro já esteja quase no fim.
Desci para tomar café na Tábua de Frios, e aproveitei para olhar árvores (sabia que o Brasil é o país mais arbóreo do mundo? Ouvi isso outro dia no rádio), da Professor Moreira à Santa Teresinha; queria encontrar alguma coisa, um toque primaveril a me inspirar. Fiquei olhando pessoas para encontrar uma alegria diferente, quem sabe um brilho nos olhos, até a mulher que se esqueceu de pagar a água no caixa eu perscrutei, ou a senhorinha de cabelos de algodão com seu cão que encontrei na calçada.
Depois, já em casa, escovei os dentes, e fui à sacada em busca de sinais, uma flor se abrindo, orquídeas, por exemplo. Dizem que aparecem folhas novas na acerola, ou na laranjinha do mato, mas não há acerolas e laranjinhas do mato por aqui. Brotos, talvez. A despedida do inverno, a secura triste indo embora, o cinza da manhã dando lugar ao azul recém-inaugurado.
Mas como eu queria.
Encharcar de poesia e colorido este Crônica do Dia de hoje, afinal, primavera é primavera, tempo de renovação (dizem), de luz e calor, de cor e perfume. Examinei a Mantiqueira que se insinua para mim, tentei uma luz diferente. Agucei ouvidos em busca de cantos novos, um bem-te-vi, quem sabe. Fotografei ipês na JK.
Nem luz, sol, cor, como falam por aí. Nem alegria, paixão, tesão, renovação eu encontrei, a mesmice de sempre (aliás, o centro da cidade hoje estava um horror de tanta gente; depois dizem que brasileiro não tem dinheiro). Nem amor, calor, humor, nem um certo desespero em flor, como na canção.
Talvez sejam os meus olhos despreparados, o coração cerrado. Talvez precise de uma Ananda Apple a me ensinar.
Dizem que a tal chega ainda hoje.
Por ora, pelo menos aqui, sem sinais.

P.S.: Ok, ok. Para espantar o mau humor, que tal essa lindeza do Zé Miguel Wisnik?


Comentários

Zoraya Cesar disse…
Isso! se não encontra a primavera nas pessoas, encontre nas palavras. Na falta do humor primaveril nas pessoas, leiamos Sergio Geia!
sergio geia disse…
Só você, Zoraya rsrs. Grato, amiga!

Postagens mais visitadas deste blog

MELANCOLIA >> whisner fraga

FEIJOADA NO SIMEÃO >> Sergio Geia

O VELHO CANTOR >> Sergio Geia