Pular para o conteúdo principal

FACEBOOK RAIZ >> Clara Braga

Escrever em porta de banheiro é algo que sempre existiu. Lembro bem do banheiro da escola, você ia lá fazer um xixi e ficava lendo as assinaturas das pessoas que, por algum motivo, levavam canetas ou liquidpaper no bolso quando precisavam utilizar o sanitário. Era uma chuva de *Marina_Linda*, =]Paulinha, Aninha-gata e Carolinda ;). Quando rolava briga uma ia lá para apagar o nome da outra. As mais ousadas riscavam o nome e escreviam algum xingamento, mas no geral era só apagar mesmo.

Às vezes, quando a porta ficava muito suja, a diretora tentava identificar as donas dos apelidos e ameaçava colocar para limpar, mas a desculpa era sempre a mesma: não fui eu que escrevi, alguém que foi lá e escreveu meu nome para me prejudicar. E assim os banheiros ficavam cada vez mais repletos de assinaturas.

Em tempos de Twitter imaginei que as portas haviam ficado esquecidas, mas em experiência recente descobri que elas apenas foram reinventadas. A porta do banheiro é o novo mural do Facebook e as regras de uso são basicamente as mesmas, levando em consideração apenas pequenas adaptações para suprir a falta de tecnologia do banheiro.

Pelo que observei, funciona mais ou menos assim: você entra no box e olha para a porta fechada a sua frente, naquele espaço vazio da porta imagine que tem a pergunta: no que você está pensando? Então, certifique-se de que levou um canetão e coloque para fora sua angústia, já que no banheiro não precisamos fingir estarmos sempre felizes.

Na ocasião que eu acompanhei no banheiro de uma universidade recentemente, a pessoa que usou fez um protesto, pediu que as mulheres fizessem xixi sentadas para não molhar o vaso. Uma pessoa que usou o mesmo box depois não gostou nada da colocação da primeira pessoa, deixando claro que os haters não são exclusividade do mundo virtual. Ela puxou uma seta, símbolo que no mundo do banheiro significa que ela está respondendo diretamente para aquela pessoa, ou seja, é a função do @ nos grupos do whatapp, e disse: não sento pelo mesmo motivo que não enfio a boca em bebedouros públicos, deixa de ser nojenta!

A primeira pessoa com certeza era frequente no banheiro, pois viu a resposta e não deixou barato, mesmo não tendo mais espaço na porta ela puxou uma nova seta para uma parte lateral e respondeu: sua burra, boca é diferente de bunda, tem mucosa!

Não sei se a outra pessoa respondeu depois pois não passei mais pelo banheiro, mas confesso ter ficado curiosa já que observei que as pessoas estavam se manifestando e tomando partido em uma briga que nunca saberemos quem são os envolvidos, já que no banheiro não dá para criar perfil. Para colocarem seus comentários as pessoas também puxaram setas e escreveram coisas como: apoiado! E para suprir a falta de emojis do mundo do banheiro usamos as onomatopeias, como fez uma pessoa que deve ter sentido falta das mãos batendo palmas e então escreveu clap, clap, clap.

Não imagino essa prática virando moda, as pessoas estão tão imediatistas que deve ser difícil segurar a emoção de esperar a hora que a pessoa vai ao banheiro, vê a resposta e escreve uma outra resposta. Esse processo deve levar alguns dias e até lá corre o risco das pessoas nem lembrarem mais pelo que estão brigando. De qualquer forma, sempre que preciso usar um banheiro público procuro mais desses diálogos para ver se eu consigo entender um pouco mais desse universo que eu decidi chamar de Facebook Raiz.



Comentários

Larissa S.A disse…
kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk
Adorei a expressão mundo do banheiro.

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …