Pular para o conteúdo principal

VAI BRASIL ... ou não... >> Clara Braga

O que a maternidade tem a ver com a copa do mundo? Nada, você deve estar pensando! De quebra ainda deve achar chato essas mães de primeira viagem que tudo relacionam com a maternidade. Eu entendo perfeitamente, também era exatamente assim, achava chato tudo se tornar motivo para as mães falarem de seus filhos, mas eu assumo: é inevitável!

Desde que comecei a assistir aos jogos achei que eu já tivesse determinado, pelo menos superficialmente, para quem eu ia torcer quando o Brasil não estivesse jogando. O meu critério de escolha seria torcer para times da América Latina. Mas como esse critério pode ser facilmente furado, pensei outros dois: vou torcer para aqueles times que raramente avançam mas que desta vez estão surpreendentemente bem e, por último, torceria para que os grandes rivais do Brasil ficassem para trás.

Tudo ia bem quando a Argentina entrou em campo. Confesso que não me lembro muito bem contra quem estavam jogando, mas sei que entre os critérios que eu poderia usar acabei escolhendo torcer contra a Argentina. Eu estava feliz, a Argentina estava indo mal e foi então que um cinegrafista sem coração decidiu mostrar o quão apreensiva estava a torcida, já que o fim do jogo estava próximo e o time estava perto de ser eliminado. Conforme os torcedores foram aparecendo eu pensei: é gente, é assim mesmo, não dá para ganhar sempre, pode chorar, faz parte. Eis que em um certo momento apareceu uma criança arrasada chorando com a cabeça baixa no colo do pai. Ele estava com a camisa da Argentina e o rosto todo pintado. Pela idade essa deve ser a primeira copa do mundo que ele tem consciência do que está acontecendo, algo que só vai acontecer com o meu filho daqui a quatro anos.

Meu coração se partiu, esse menino deve ter esperado e ansiado muito por esse momento. E foi assim que passei a rezar por um milagre, tinha que ter um jeito da Argentina ganhar, não era possível. Parecia que eu era Argentina desde pequena, fã de carteirinha do Messi. 

Em um dos jogos até que minha mandinga adiantou, mas depois a reza falhou e o time foi desclassificado, e mais uma vez crianças decepcionadas foram mostradas chorando uma das primeiras frustrações de suas vidas.

Desde então, assim que mostram uma criança triste eu esqueço qualquer critério que eu tenha elaborado previamente e passo a torcer pelo time como se fosse o Brasil jogando. Justamente por isso eu gostaria de pedir aos cinegrafistas que no jogo da próxima sexta-feira, caso o Brasil esteja ganhando, não mostrem crianças Belgas chorando, existe uma chance grande de eu mudar minha torcida e acabar torcendo contra o Brasil, e eu não queria chegar nesse ponto.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …