VELHOS >> Sergio Geia

 


“Velhos” é o título do livro da Alê Motta, Editora Reformatório. Eu superindico, seja você moço ou velho. Textos curtinhos e profundos. Compre. Leia. Depois me conte. 

Eu estou com 52, quase chegando aos 53. Bom... Quando comecei a escrever esta crônica era assim, mas o tempo voa. Como não a terminei e retorno somente hoje, melhor ser honesto: estou com 53. E falando em honestidade, honestamente, não me sinto velho; e nem deveria, não é? Mas certas coisas me acontecem... 

De repente, vejo manchas brancas na calça, do lado direito, próximas ao bolso. Sempre no mesmo lugar, mas nem sempre. Não. Assim ficou confuso. Deixe-me ser mais claro. As manchas sempre estão no mesmo lugar: na calça, próximas ao bolso direito. Mas nem sempre elas estão. Compreende? 

Quando estão e eu as vejo, trato logo de fazer a limpeza. O problema é quando estão e eu não as vejo, e saio todo pândego pra rua com a calça suja; nada mais deprimente. Devem pensar, tá ficando velho, o pobre, velho e descuidado; agora deu de sair à rua com as calças sujas. Não. Não admito. 

Comecei então sistematicamente e com muita seriedade a observar as coisas do cotidiano, tentando descobrir como as manchas brancas aparecem. Não tardei muito a descobrir. 

Vejam: quando escovo os dentes, às vezes ocorre o deslizamento de um fio de creme dental misturado com água na parte de trás do braço direito, saindo da mão, passando pelo pulso e quase chegando ao cotovelo. Eu não sinto. Se não sinto, não limpo. Esse mesmo braço, carregado da pasta escorrida e ainda úmida, toca levemente as calças na região do bolso direito; um desleixo, sem dúvida, e inadmissível. 

Estou com 53. Talvez esteja a caminho da velhice, mas ela não chegou. E quanto às manchas, são bobagens, BOBAGENS!, mais uma das bobagens que devo encontrar por essas novas paisagens. 



P.S.: Três coisas: 1. Sobre velhice, brincadeiras à parte, o que me disse o João Cláudio Guarnieri, o melhor pianista que eu conheço @joaoguarnieriprofessor, uma verdade pura: “Olha, tem hora em que eu fico pensando na vida da gente, nesse caminho que a gente tem que percorrer enquanto vamos ficando a cada dia mais fracos e vulneráveis. Nessas horas eu procuro parar de pensar, porque me parece tão injusto isso. Mas, enfim, é algo que foge ao nosso controle. Ou, por outra: algo cujo controle nós temos somente até certo ponto.”; 2. O Crônica, em parceria com a Editora Sinete, está lançando uma coletânea de clássicos, chama-se "Retire Aqui a Sua História". Se você me acompanha, ou acompanha outros autores da página, não pode deixar de adquirir. Entre no site da editora e economize pois o livro está na pre-venda até 20/06/2022: editorasinete.com.br; 3. Queridas e queridos, como manda o figurino. Nas próximas voltam os pequenos contos que vocês amaram. Espero que continuem a amar, faz tão bem.

Comentários

João D'Olyveira disse…
Este comentário foi removido pelo autor.
João D'Olyveira disse…
Querido Sérgio, "o mais novo homem de la mancha", seja bem-vindo às nossas coloridas aventuras (ou o inverso)! Já as pratico há algum tempo, para mais de dez anos da sua ainda mocidade rs Assim,sinto-me no dever de anunciar que outras manchas virão: as amarelas (mostarda), as vermelhas(ketchup), as roxas (batidas, no duplo ou triplo sentido da palavra), as variantes da bexiga (incontinência urinária) e por aí vai! A chamada "melhor idade", na verdade, é uma paleta de pinturas, com cores dele jornadas ou impostas, ou um arco-íris, como queira. Se arco-ïris, bem perto do pote rs Um "canal de manchas"! E falando em "canal", adorei a geografia do creme dental. A "calça-foz", hoje, é um rio; em breve, será um oceano rs PARABÉNS, eterno menino!
whisner disse…
Sergio, as manchas são uma excelente metáfora do envelhecimento. Injusto, mas inevitável. Belo texto.
Zoraya Cesar disse…
Ainda bem que não são manchas indeléveis. Mesmo as rugas tendem a diminuir qd sorrimos, e, na boa, depois de certo tempo, quem se importa com algumas das manchas q vão se formando? É com se sempre estivessem ali.
Mas faça o favor de prestar atenção às manchas de pasta de dente. Vc pode começar a ficar preocupado qd elas não estiverem lá: será q vc escovou os dentes ou não?...
Nadia Coldebella disse…
Manchas de pasta de dente são um bom sinal. Se vc precisa de pasta de dentes, significa que os dentes ainda permanecem na boca, o que significa que ainda vc pode comer, o que leva ao fato de que seu corpo está alimentado e vc forte. E se vc está forte, está em forma, o que significa que não está velho.

Logo, manchas de pasta de dente não podem ser vinculadas a velhice, certo? Mas a distração do jovem que não quer perder tempo com coisas corriqueiras, mas quer gastá-lo com a vida.

Quando as manchas da velhice chegarem, acho que não serão só manchas, serão borrões mostrando que não há mais olhos que possam definir com exatidão os inconvenientes da vida!

Gde abç, jovem amigo!
Alfonsina disse…
Adorei a reflexão do texto, a escrita e a descoberta da macha através do seu percurso! Eu, como todos nós, tb estou envelhecendo… outro dia fiquei numa pousada que tinha uma luz incrível no banheiro e descobri rugas que normalmente não vejo!
Também gostei muito da reflexão que você compartilhou no primeiro ps sobre o envelhecer.
Albir disse…
É só no início que você se surpreende com os sinais. Depois eles serão íntimos e vai se preocupar com a ausência deles.

Postagens mais visitadas deste blog

CONFLITO >> whisner fraga

GIRÂNDOLAS, MADRIGAIS, SUBLIMAÇÃO >> Sergio Geia

ALUGUEM OS MORTOS >> whisner fraga