MÚSICA É SAÚDE, VIZINHO! >> Albir José Inácio da Silva

 

Vitório acordou sem os malditos acordes. Há muitos anos não sabia o que era uma manhã de paz. Quase silêncio, um latido distante, passarinhos cantam na árvore que filtra os raios do sol na sua janela. Nada das malditas marteladas nas teclas do piano.  A bruxa bateu as botas – lembra-se, enchendo os pulmões de ar.

 

Antes gostava de música, cantarolava umas melodias e chegou a pensar em aprender violão. Seus problemas com a arte começaram no dia em que a vizinha chegou para o apartamento da frente. O piano não coube no elevador nem subiu as escadas, teve de ser içado pela janela, com a voz da dona gritando cuidados com o instrumento. Instrumento de tortura, ele descobriria em breve.

 

Após alguns dias, foi falar com a vizinha. Sorridente, conciliador, achando que tudo podia ser resolvido no diálogo, como aprendera na vida. Explicou questões pessoais, seus problemas com barulho, conselhos do psicólogo, inventou traumas. Queria sensibilizar, quem sabe virava amigo, trocava pedaços de bolo, sorrisos e outras vizinhices.

 

Ela estava a um metro de Vitório, mas o volume de voz era o mesmo que usou para ameaçar da janela os carregadores de piano na calçada.

 

- Ora, vizinho, música é saúde!  O senhor devia me agradecer! Um concerto desta qualidade e de graça!

 

Várias vezes por dia a velha martelava o teclado e isso doía na alma. Ela não sabia tocar o piano desafinado e ainda cismava de cantar. A voz conseguia ser pior que o piano. Vitório começou com chás e simpatias, foi ao psicólogo, passou para o psiquiatra. Agora tomava muitos remédios de tarja preta. Teve insônia, problemas digestivos, crise de nervos, uma alopecia que ninguém conseguiu tratar, e ficou careca. Enquanto isso, a velha continuava agredindo as teclas.

 

Escreveu muitas páginas no livro de ocorrências do condomínio, protestou nas assembléias, e ninguém se importou. Recorreu à justiça, mediram os decibéis, e o perito cochichou que a música era ruim, mas o barulho, suportável.

 

E assim foi a sua vida nos últimos anos. Chegou a pensar em suicídio, e até a fé ficou abalada porque era difícil acreditar num Deus que permitia tanto sofrimento a um cristão.  Tornou-se uma pessoa amarga, desejava mal à vizinha, pensou em recorrer à magia negra. Já vivia um inferno em vida, mas ela o faria perder também a alma. Por último, foi licenciado do trabalho por problemas de saúde e acabou demitido.

 

Tudo isso durou até ontem, quando, ainda sonolento da meia dúzia de comprimidos pra dormir, sentiu que havia algo diferente. Em mais de dez anos, todos os dias, inclusive domingos e feriados, o piano empestava suas manhãs. E hoje estava em silêncio.

 

Ainda grogue e de pijama, saiu para o corredor. A porta em frente aberta, pessoas entravam e saíam fazendo o sinal da cruz. Aproximou-se. Compreendeu. Conteve o grito.  A velha empacotou de madrugada. Voltou pra casa e ficou paralisado na janela, com taquicardia, como quem sai pelo portão de uma penitenciária depois de vinte anos.

 

Ela se foi – pensou – deve estar agora no inferno, ajudando Belzebu a torturar os padecentes com sua música. Vitório venceu!

 

Mas isso foi ontem. Hoje ele acordou feliz, reconfortado, depois de uma noite como já nem se lembrava mais. Hoje está em paz. Esqueceu de tomar os remédios, mas suas mãos não tremem. Acha que nunca mais vai precisar deles. Há muito tempo não se sentia assim. Quase silêncio, um latido distante, passarinhos cantam na árvore que filtra os raios de sol na sua janela.

 

De repente uma rajada. Parece metralhadora. Uma explosão! De novo! Ouve gritos, parecem ordens.

 

Do corredor, pela porta aberta, Vitório vê a figura num banquinho pequeno demais para ela, cabelo moicano grisalho, brincos de aço, tatuagens e piercings em profusão – sobrinho da velha, explicou depois o porteiro.

  

- Vai colocando por aí em qualquer lugar. Depois eu arrumo. Ou não arrumo! – gargalha o herdeiro, apesar do luto amarrado no braço.

 

Enquanto grita ordens aos carregadores, ataca repetidamente os pratos, gira as baquetas nas mãos, e os pés enlouquecem os pedais no repique dos tambores.

Comentários

Nadia Coldebella disse…
Vamos esclarecer as coisas por aqui, caro Dom Albir.

Vc fica comentando nas minhas histórias que não dormirá mais, que seus sonhos serão aterrorizados, que me mandará a conta do psiquiatra, etc, mas veja: meus personagens são puramente fictícios, só existem na minha cabeça. Os seus, por outro lado, são protagonistas de um terror rotineiro, perfeitamente palpável.

Quer dizer, essas são pessoas reais, que estão por aí dedicando-se, com cuidadoso esmero, à arte de infernizar a vida de um pobre cidadão aleatório, que nada tem haver com patavina nenhuma. Isso me deixa muito preocupada, perplexa até ( cadê meu Rivotril?), pois sou campeã de sofrer coisas aleatórias, o que significa que posso ser uma escolha viável no rol desses torturadores do cotidiano.

É lógico que vc vai argumentar que inventou, exagerou, apimentou, coisa e tal, essa lorota toda de bom escritor. Mas, se isso tudo saiu puramente da sua cabeça, é bastante notável seu potencial para a maldade, com requintes de crueldade, esteja ciente disso, pois me convenceu que criaturas tão pervertidas e sem nenhum grau de empatia podem morar aqui do meu lado (espera, deixa eu ver se está tudo fechado por aqui).

De qqr forma, já estou arquitetando um plano para assombrar essa gente. Lady Killer com certeza vai ajudar, com algum de seus venenos. (De nada! Sei que seu psicopata interior agradece, pois vc terá outra história para contar. Olha, não é uma ameaça, mas não se esqueça que os assassinos da Lady morrem. Nesse caso vc tbm será atormentado por fantasmas de loiras suicidas psicólogas e psicóticas!)

Agora, veja bem, apesar dos meus protestos por tamanho desprezo pela minha saúde mental, não posso deixar de elogiar sua destreza na escrita e a sua enorme capacidade de resgatar situações cotidianas e registrá-las como uma (assustadora) obra de arte.

Não é a primeira vez que percebo isso e com certeza não será a última. (Ah! Meu psiquiatra mandou um oi).


Gde abço!
Sandra Modesto disse…
História bem amarrada. Daria um roteiro de cinema ou teatro. Parabéns!
Zoraya Cesar disse…
Olha só, Dom Albir! Faço meus os protestos da Nadia, e mais: nas minhas histórias o coitado do vitório teria dado um jeito na vizinha e teria sido realmente vitorioso. Esse foi o final MAIS MALDOSO e APAVORANTE de todos. Nada, absolutamente NADA que Countess Velvet ou eu tenhamos escrito se compara a isso.
Só ´ta perdoado pq é o Dom Albir...
Alfonsina disse…
Kkkk Adorei!!! Este Vitório vai ter que aprender a tolerância, nem que seja na marra!!
whisner disse…
Albir, muito engraçado e trágico tudo! E que destino triste - cair do piano para a bateria! Abraços.

Postagens mais visitadas deste blog

NOS LÁBIOS AVERMELHADOS DE MEL >> Sergio Geia

AS ÁGUAS DE BIDU >> Sergio Geia

IGNORÂNCIA É FELICIDADE >> Albir José Inácio da Silva