Pular para o conteúdo principal

SUSTOS E LENÇÓIS >> Albir José Inácio da Silva


O cansaço desmaiava Willians na cama, mas os acontecimentos do dia não o deixavam dormir. Olhos entreabertos, braços estendidos pra baixo, queria descansar, mas a imagem da velha enrolada no lençol até a cabeça esperando o caixão na casa da frente não o abandonava.

Arrependia-se agora das brigas com Dona Dalva desde que pisou naquela vila. Não se passou
um dia em que não arengasse com a Senhoria. E hoje não tinha sido diferente.

- Nada faz o senhor fechar esse portão, né, Seu Ilha?

- Que Ilha, Dona Dalva? Que Ilha? É Willians! Willians! – gritava. - Metade desse quintal tá sem muro, e a senhora tá preocupada com o portão?

 Willians ainda reclamava com a esposa Aline do inferno que era morar ali, quando se ouviram os gritos de socorro na casa da frente.

- Acode lá, Will! – exigiu Aline.

Dona Dalva estava caída no chão e a filha ajoelhada. Willians pegou a velha no colo e colocou na cama. Mas a SAMU chegou só pra dizer que ela estava morta.

Willians se arrepiou quando soube que carregara um defunto. Não que tivesse medo. Era macho, ex-pqd, fã de Bruce Willis em Duro de Matar e seus heróis todos eram matadores, socadores e explosivos. Mas não gostava dessas coisas.

A sogra de Will, Dona Deca, gostava da Dona Dalva por uma única razão: ela infernizava a vida de Will, que era uma coisa que ela mesma gostaria de fazer pessoalmente, mas a filha Aline atrapalhava.

A noite encontra Will na cama, morto de cansaço, tentando pegar no sono, mas a cabeça errando pelos acontecimentos do dia. O ventilador empurra a porta aberta que encosta na parede com um gemido e um baque ritmados. Haja nervos. Will já percebeu, mas está cansado demais pra levantar e  pensando na defunta que carregou. Não que tivesse medo, mas não gostava dessas coisas.

Embora não tivesse medo, Will reconhecia a conspiração universal para assustá-lo. Defunto na casa da frente e agora um vento que mais parece gemido. Cai a chuva. O trovão foi bem perto. Acaba a luz, deve ter sido todo o bairro. Só os relâmpagos iluminam o quarto. Will se encolhe.

Mais um relâmpago e ele vê um vulto branco de cócoras na porta do quarto, que levanta e se agita em direção à cama. Will quer gritar, mas a voz não sai. Segura o abajur pelo meio e levanta a base de metal.

Baque, grito, novo clarão. Aline acorda.

A luz acende. A sogra está enrolada no lençol, os olhos arregalados e o sangue começa a descer pela testa. Will está em choque.

- O que é isso, mamãe?

A velha urra:

- Maldito cão dos infernos!

- O que a senhora tá fazendo aqui? – pergunta a filha.

- Eu vim prender a porta que o ventilador tá balançando. Não consigo dormir com esse barulho. - o sangue chega na boca e ela grita mais ainda. – Ele quer me matar!

- Mas embrulhada num lençol, mamãe!? Ficou maluca?

- Eu tô de camisola e não ando por aí expondo minhas vergonhas.

Na delegacia Dona Deca quer a prisão de Will por tentativa de homicídio. Aline quer ir pra casa, embora não esteja convicta da inocência de Will.

O delegado queria mesmo era prender todo mundo.

Will diverte-se sabendo que não vai dar em nada. Sente-se corajoso por enfrentar o perigo e se alegra por ter sido a sogra e não a Dona Dalva. Que Deus a tenha!


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …